PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Turismo

Lisboa ultrapassou Barcelona em Alojamento Local

Lisboa ultrapassou Barcelona em Alojamento Local

Há bairros na capital, como Castelo, Alfama e Mouraria, em que 40% das casas são para turistas.

Castelo, Alfama e Mouraria. Três bairros históricos da cidade de Lisboa em que quase 40% das casas estão dedicadas ao Alojamento Local (AL). Os dados a que o JN/Dinheiro Vivo teve acesso mostram que entre o final de agosto de 2018 e o início de janeiro deste ano foram estes bairros que registaram aumentos mais expressivos, tanto em termos relativos como absolutos. Em apenas quatro meses e meio nasceram mais 807 AL, correspondendo a um crescimento de 30,5%. De todo o parque habitacional, 38% das casas estão afetas ao arrendamento de curta duração.

Suspensos

Foi precisamente no Castelo, em Alfama e na Mouraria (além do Bairro Alto e da Madragoa) que desde novembro do ano passado estão suspensos novos registos de AL, durante pelo menos seis meses, até que seja aprovado regulamento. Mas muitos proprietários lançaram-se numa corrida para licenças antes da entrada em vigor desta espécie de rolha, daí o crescimento verificado em algumas zonas da cidade.

A Câmara Municipal de Lisboa criou o limiar de 25% da habitação disponível afeta ao Alojamento Local para travar a abertura de novas unidades de arrendamento local. Mas já nessa altura existiam cinco bairros que ultrapassavam esse limite: Castelo, Alfama, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa. E desde novembro continuou a aumentar.

O Bairro Alto e a Madragoa são os que têm mais registos de Alojamento Local - 4250 em janeiro deste ano, o que corresponde a um crescimento de 24% face a agosto de 2018. Nestes dois bairros, um terço das casas estão afetas ao AL.

É o segundo rácio mais elevado da cidade de Lisboa. Segue-se o eixo que vai da Baixa à Avenida da República, passando pela Avenida da Liberdade e ainda a Avenida Almirante Reis, onde 29% das casas disponíveis estão dedicadas ao Alojamento Local, quebrando também o limiar dos 25% impostos pela autarquia de Lisboa.

O plano catalão

De acordo com o Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL) estão registados 17937 Alojamentos Locais na cidade de Lisboa.

O valor tem vindo a crescer e não parou o que é demonstrado pelos dados da evolução do último ano. Partindo dos dados que foram usados no "Estudo Urbanístico do Turismo em Lisboa" da Câmara de Lisboa, e que serviram de base à suspensão de novas licenças, registou-se um crescimento de 12% no número de registos entre agosto de 2018 e Março deste ano.

São valores que, por exemplo, já ultrapassam, por larga medida, as unidades para arrendamento de curta duração em Barcelona. A capital catalã tem sido, por diversas, vezes referida como uma aproximação a Lisboa.

De acordo com os dados oficiais das autoridades catalãs, existem em Barcelona cerca de 14900 casas para uso turístico. Trata-se de uma estimativa que inclui as unidades registadas (9657) e as ilegais (5257). A estes valores juntam-se ainda 8400 quartos disponíveis para arrendamentos de curta duração.

Contando apenas com as habitações destinadas a uso turístico, Lisboa já ultrapassa em muito Barcelona que em janeiro de 2017 aprovou o Plano Especial de Urbanismo de Alojamento Turístico (PEUAT). Trata-se de um conjunto de medidas para regular e limitar a afetação de casas para Alojamento Local.

O PEUAT definiu a interdição total no centro da cidade e o encaminhamento para outra zona mais periférica, no caso de encerramento no centro.

O plano só permite novas licenças nos bairros mais periféricos se antes tiver ocorrido um encerramento nas zonas de maior pressão turística.