PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Parlamento

Pinho em silêncio sobre BES garante apenas não ter recebido avenças

Pinho em silêncio sobre BES garante apenas não ter recebido avenças

O antigo ministro da Economia Manuel Pinho garantiu hoje não ter recebido qualquer avença do Banco Espírito Santos (BES) enquanto estava no cargo, rejeitando também "negócios milionários" com o grupo, mas não deu mais esclarecimentos aos deputados.

Manuel Pinho foi hoje chamado à comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas na energia, quatro meses depois de se ter recusado a responder a dezenas de perguntas de deputados sobre pagamentos do Grupo Espírito Santo (GES).

Falando em resposta ao deputado social-democrata Paulo Rios de Oliveira, o antigo governante vincou: "Senhor deputado, eu peço desculpa, mas não tenho mais nada a dizer que do que disse no princípio, de que não recebi nenhuma avença".

Antes, o eleito do PSD considerou que "tudo nesta audição cheira a BES" e que Manuel Pinho "saiu do BES, mas o BES não saiu" do antigo governante.

"Há aqui um triângulo impossível de evitar que ultrapassa a sociedade portuguesa que é o triângulo BES, EDP e Manuel Pinho. E este triângulo faz colocar uma enorme suspeição sobre todas as suas decisões", referiu Paulo Rios de Oliveira, perguntando a Manuel Pinho se "recebeu na qualidade de ministro, direta ou indiretamente - para 'offshores' que tinha controlo -, algum valor de alguma entidade".

Rios perguntou questionou também se, "na qualidade de ministro, tinha uma sociedade imobiliária que fez um negócio extraordinário com o grupo GES".

"Compra imóvel ao grupo GES, financia a construção com dinheiro do GES, vende o tal imóvel ao GES e depois o GES perde dinheiro a revender o que tinha", apontou, falando num encaixe de quatro milhões de euros.

Em resposta, Manuel Pinho disse apenas: "Quanto a negócios imobiliários que o senhor deputado referiu, é totalmente mentira".

"Não posso dizer mais nada", reforçou, recusando a existência de "negócios milionários".

Já na sua intervenção inicial, Manuel Pinho tinha avisado que iria exercer o seu direito a manter-se em silêncio na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas sobre os temas em relação aos quais é considerado suspeito.

"Enquanto ministro da economia agi sempre e exclusivamente em prol do interesse público, [...] sendo falso aquilo que tem sido propalado de que eu receberia uma remuneração ou uma avença do BES enquanto fui governante", garantiu nessa primeira declaração.

Em 17 de julho, o antigo ministro do Governo de José Sócrates já tinha sido ouvido no parlamento, mas na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Perante as dezenas de perguntas dos deputados relativas aos eventuais pagamentos que terá recebido pelo GES, Manuel Pinho recusou sempre responder, por serem matérias "em avaliação judiciária".

O antigo governante afirmou, nessa audição, que se declarou 490 mil euros por dois meses de trabalho no BES em 2005, ano em que integrou o Governo de José Sócrates, é porque foi o valor ganho.

Na audição de hoje, Manuel Pinho foi também questionado pelo bloquista Jorge Costa se "foi sempre verdadeiro a preencher as suas declarações ao Tribunal Constitucional".

"Eu respondo com a declaração que fiz ao início [da intervenção, de manter-se em silêncio sobre alguns temas]. Compreendo o interesse, mas compreenda as respostas que dou", indicou o antigo governante.