Energia

Portugueses são os que mais pagam pela eletricidade

Portugueses são os que mais pagam pela eletricidade

As famílias portuguesas têm a eletricidade mais cara da União Europeia (UE) se a comparação de preços for feita em paridades de poder de compra (PPC). No caso do gás natural, o país está em terceiro na lista dos mais caros.

Os dados do Eurostat, relativos ao segundo semestre do ano passado, mostram ainda um aumento de preços da luz de 2,8% no espaço de 12 meses e um recuo de 1,9% no gás.

Quase 32% dos orçamentos das famílias portuguesas dizem respeito ao conjunto da "habitação, água, eletricidade e outros combustíveis", de acordo com a estrutura da despesa anual média por agregado, indicador apurado a cada dois anos pelo Instituto Nacional de Estatística. Daí a importância que o preço da energia (combustíveis líquidos incluídos) tem para as famílias.

Expresso em euros, os portugueses pagaram 22,9 por 100 kWh, o sexto preço mais alto, com a Dinamarca no topo da tabela (31,2€ por kWh), seguindo-se a Alemanha (30€ por 100 kWh), a Bélgica (29,4€), a Espanha (24,8€) e a Irlanda (25,4€ por 100 kWh). Já o preço médio mais baixo no segundo semestre do ano passado foi pago na Bulgária (10,1€ por 100 kWh), na Lituânia (11€) e na Hungria (11,2€).

Fazendo as contas aos preços da luz com o ajuste proporcionado pela unidade que elimina as diferenças de poder compra entre países (as tais PPC), Portugal surge mesmo como o país da UE onde a eletricidade é mais cara, à frente da Alemanha, Espanha e Bélgica. Recuando apenas 12 meses, isto é, para o semestre homólogo de 2017, constata-se que a Alemanha era o país mais caro, mas Portugal conseguiu subir ao topo na segunda metade do ano passado.

Na Zona Euro, os consumidores domésticos pagaram 21,8 em PPC e 22,4 euros pela eletricidade enquanto na média da UE os preços foram de 21,1 tanto em euros como em PPC por 100 kWh.

De acordo com o relatório do Eurostat, mais de metade da conta da eletricidade (55%) paga pelos portugueses diz respeito a taxas e impostos. Na União Europeia, só os dinamarqueses têm uma carga fiscal mais elevada na fatura da luz (64%). Na Alemanha, os impostos pesam 54% na fatura da luz.

No que respeita ao gás, Portugal teve, entre junho e dezembro de 2018, o terceiro preço mais alto expresso em PPC, a par de Itália (9,6 PPC por 100 kWh cada), depois da Suécia (10,1) e de Espanha (9,7).

O Luxemburgo (3,5 PPC por 100 kWh), o Reino Unido (4,7), a Croácia e a Estónia (5,6 cada), bem como a Bélgica e a Alemanha (5,7 PPC por 100 kWh cada), apresentaram os mais baixos preços do gás para consumidores privados.

Mas na comparação direta de preços, e ao contrário do que acontece na eletricidade, os preços do gás em Portugal estão abaixo da média da UE e da Zona Euro. E no segundo semestre de 2018, Portugal foi um dos quatro países da UE onde os preços do gás registaram uma descida face ao mesmo período do ano anterior (-1,9%).

Quanto aos impostos, representam 25% da fatura do gás em Portugal. Na Dinamarca e na Holanda, ultrapassam os 50%. Na UE, a média no segundo semestre de 2018 foi de 27%.