Pandemia

Queda abrupta na confiança dos consumidores e clima económico

Queda abrupta na confiança dos consumidores e clima económico

O indicador de confiança dos consumidores caiu para o mínimo desde setembro de 2014 e o clima económico recuou de forma "abrupta" em abril devido à pandemia de Covid-19, segundo o INE.

"No contexto da atual pandemia, o indicador de confiança dos consumidores registou em abril a maior redução da série face ao mês anterior, atingindo o valor mínimo desde setembro de 2014", refere o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Não considerando as médias móveis de três meses, este indicador atingiu o valor mínimo desde maio de 2013.

Nos inquéritos às empresas, "a pandemia penalizou também fortemente as opiniões e expectativas dos empresários, tendo o indicador de clima económico diminuído de forma abrupta em abril, retrocedendo para valores próximos dos observados no final de 2013".

Não considerando médias móveis de três meses, este indicador apresentou a redução mais acentuada da série, atingindo o valor mínimo.

O indicador de confiança dos consumidores passou de -9,9 registados em março para -21,0 pontos em abril e o clima económico passou dos 1,9 para os -0,7 pontos.

Os indicadores de confiança da Indústria Transformadora, da Construção e Obras Públicas, do Comércio e dos Serviços diminuíram igualmente "de forma abrupta" relativamente a março.

As atividades artísticas, de espetáculo, desportivas e recreativas e de alojamento, restauração e similares registaram as reduções com maior magnitude.