Web Summit

António Mexia diz que EDP será 100% renovável no final da próxima década

António Mexia diz que EDP será 100% renovável no final da próxima década

O presidente executivo da EDP, António Mexia, disse, esta terça-feira, que, no final da próxima década, a energia fornecida pela empresa será 100% proveniente de fontes renováveis e que atualmente já representam mais de 75% da produção.

"No final da próxima década seremos [a EDP] 100% renováveis", afirmou António Mexia, que falava para a plateia presente no painel "Remodelar os modelos de negócio para salvar o planeta", durante a Web Summit, em Lisboa.

Sublinhando que, atualmente, mais de 75% de energia produzida pela EDP é proveniente de fontes renováveis, como a água, energia das ondas e solar, António Mexia sublinhou, no entanto, que há energia fóssil, nomeadamente o gás, que vai ter um papel preponderante na transição energética.

"As renováveis não estão disponíveis 24 horas por dia", afirmou o líder da energética, acrescentando que é necessário combinar energia de várias fontes de forma a garantir eficiência energética.

Questionado sobre uma forma de se conseguir reduzir o valor da fatura da luz em Portugal, Mexia reiterou que as energias renováveis são "as melhores notícias" para se baixar o custo da eletricidade.

"As renováveis são a tecnologia mais barata e mais eficiente para gerar energia", defendeu.

O presidente da EDP apontou ainda o dedo aos decisores políticos, particularmente da União Europeia e dos Estados Unidos, que, num setor tão regulamentado como o da energia, estão a "ficar para trás" no que diz respeito ao combate às alterações climáticas.

Na ótica de António Mexia, "há ainda muita gente que continua a lutar contra a transição energética".

"O problema das alterações climáticas não pode ser adiado", concluiu.

Fundada em 2010 por Paddy Cosgrave, Daire Hickey e David Kelly, a Web Summit é considerada um dos maiores eventos de tecnologia, inovação e empreendedorismo do mundo e evoluiu em menos de seis anos de uma equipa de apenas três pessoas para uma empresa com mais de 150 colaboradores.

A cimeira tecnológica, que nasceu em 2010 na Irlanda, passou a realizar-se em Lisboa desde 2016, vai manter-se na capital até 2028, depois de, em novembro do ano passado, ter ficado decidida a permanência da conferência em Portugal por mais 10 anos, após uma candidatura com sucesso.

O evento realiza-se em Lisboa entre hoje e 7 de novembro.