Zero desperdício

Mercado da azeitona quer aproveitar folhas e caroços para novos produtos

Mercado da azeitona quer aproveitar folhas e caroços para novos produtos

O azeite é um negócio global multibilionário e Manuel ​​​​​​​Román está determinado a criar um mercado ainda maior a partir deste fruto sagrado da antiguidade. Román é cofundador da ISANATUR, uma empresa espanhola que construiu uma refinaria capaz de transformar cada parte de uma azeitona num produto comercial de algum tipo.

Polpa e caroços

Apenas cerca de 25% de uma azeitona é utilizada para o azeite premiado, sendo o resto da polpa, dos caroços e da água depositados em aterros ou transformados em fertilizantes. Os caroços também podem ser utilizados como combustível.

PUB

"O que é necessário é um mercado disposto a utilizar os produtos - o pó de azeitona, água de azeitona, sementes de azeitona", explica Román, antigo coordenador de um projeto financiado pela UE, que desenvolve formas de transformar todos os resíduos em bens comercializáveis. A produção anual global de azeite totaliza cerca de três milhões de toneladas, das quais dois milhões de toneladas se encontram na Europa. O mercado mundial do azeite vale quase 13 mil milhões de euros, de acordo com a Fortune Business Insights. Enquanto o azeite é chamado de "ouro líquido" há milénios devido aos seus muitos benefícios para a saúde, os seus resíduos estão também cheios de benefícios.

As empresas na Europa estão a desenvolver formas de explorar esta rica fonte de ingredientes para poderem ser utilizados em produtos de saúde e beleza, suplementos alimentares e rações para animais.

"Milhares de toneladas de produtos naturais não estão a ser utilizadas e estamos a perder a oportunidade de comer estes compostos saudáveis", diz Román. Foi coordenador interino da UP4HEALTH, projeto que começou em meados de 2020 e deverá continuar até ao final de maio de 2024. Gerido a partir de Espanha, o país que mais azeite produz na Europa, o projeto reúne participantes determinados a acabar com o desperdício envolvido na exploração das azeitonas.

A ISANATUR está já a vender pó feito de polpa de azeitona - que é rica em ferro, proteínas e antioxidantes - para utilização em barras e suplementos alimentares.

O potencial global é enorme. Outros produtos incluem fibra solúvel para estimular a saúde digestiva, bebidas feitas de água de azeitona e gorduras vegetais que podem ser utilizadas como hidratantes para a pele.

Embora a UP4HEALTH inclua várias pequenas e médias empresas alimentares e nutracêuticas que testam os produtos, pretende atrair grandes empresas multinacionais que poderiam criar uma procura suficiente para escalar.

Um dos principais obstáculos à transformação de resíduos biológicos em novos produtos é a criação da procura e a construção das cadeias de abastecimento para a satisfazer.

Promessas das Folhas

As folhas de oliveira, que normalmente são deixadas a apodrecer nos olivais ou queimadas para se obter energia, têm também um potencial comercial significativo. Um segundo projeto financiado pela UE e coordenado a partir de Espanha, o OLEAF4VALUE, reuniu cientistas, empresas multinacionais e olivicultores para desenvolver utilizações para as folhas em diversos produtos.

As folhas de oliveira contêm antioxidantes, anti-inflamatórios e antimicrobianos, que, tal como os resíduos de azeite, poderiam ser utilizados em suplementos alimentares, produtos farmacêuticos, produtos de beleza e rações para animais.

Atualmente, apenas cerca de 0,2% das folhas residuais de oliveira do mundo encontram utilizações comerciais, de acordo com o OLEAF4VALUE. O projeto pretende aumentar esta percentagem para os 15% com a ajuda da Oleícola El Tejar, uma cooperativa agrícola espanhola que já gere uma percentagem equivalente do fornecimento mundial de polpa de azeitona, caroços e folhas.

O projeto está a trabalhar com a Mibelle Biochemistry Switzerland, uma multinacional que concebe ingredientes para a indústria da beleza.

Mas também se estão a fazer incursões noutros mercados, incluindo o da alimentação, disse José Maria Pinilla, coordenador da OLEAF4VALUE.

Peixe mais saudável

José María Pinilla é gestor de projeto no Grupo Natac, que fabrica ingredientes naturais para suplementos alimentares, rações e produtos farmacêuticos.

A Natac trabalha com a empresa norueguesa Mowi, o maior produtor mundial de salmão de viveiro.

As duas empresas já testaram com sucesso os ingredientes da polpa de azeitona na alimentação de peixes para determinar se protegem o salmão de infeções bacterianas. Os testes até agora realizados no Instituto de Investigação e Tecnologia Agroalimentar em Espanha, revelaram que tornam o salmão mais resistente a esse contágio.

Agora, como parte do OLEAF4VALUE, o Grupo Natac e a Mowi estão a testar ingredientes das folhas para avaliar se protegem os peixes de infeções virais. Os ensaios estão em curso no Instituto de Investigação Marinha em Bergen, Noruega e deverão estar concluídos até ao final de 2023, de acordo com Pinilla.

Para entrar no mercado dos aditivos para a alimentação animal, a eficiência económica é fundamental.

"Se queres entrar nesse mercado, tens de ser muito, muito competitivo em termos de custos", disse Pinilla.

Classificação mais inteligente

Para reduzir os custos de produção em geral, o projeto está a desenvolver uma nova forma de extrair o máximo valor das folhas.

Com esta técnica, conhecida como "processamento dinâmico", cada lote de folhas é processado de forma diferente de acordo com o seu conteúdo químico. Os investigadores da OLEAF4VALUE estão a criar um sensor que analisa a composição química de cada lote.

O conteúdo químico das folhas depende de onde cresceram e de como foram tratadas antes de serem processadas. O conteúdo determina os produtos mais adequados para as folhas.

Por exemplo, as folhas de oliveira contêm oleuropeína, que é utilizada como um suplemento alimentar. A sua presença nas folhas varia de 0,2% a 10%.

Atualmente, as folhas são todas processadas da mesma forma e para os mesmos fins.

"Mas se eu quiser produzir uma oleuropeína de muito alta pureza, é obviamente muito mais fácil fazê-lo com uma folha de alto conteúdo no início", disse Pinilla.

Com processamento dinâmico, só são utilizadas folhas de azeitona com elevado teor de oleuropeína para extrair este composto. O resto é processado para diferentes produtos químicos.

O projeto está também a desenvolver tratamentos para modificar o conteúdo químico das folhas para que contenham concentrações mais elevadas de certos produtos químicos antes do início do processamento.

É ainda necessária muita investigação tanto para os processos como para os produtos. Em seguida o desafio será encontrar grandes compradores.

Mas Pinilla está certo dos méritos de toda a iniciativa.

"Em teoria não podíamos ter nada para deitar fora. Estamos a tentar uma abordagem de zero desperdício".

A investigação neste artigo foi financiada pela UE. Este artigo foi originalmente publicado na Horizon, a Revista de Investigação e Inovação da UE.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG