O Jogo ao Vivo

Alterações Climáticas

Mundo rural pode ajudar cidades a adaptarem-se para as mudanças

Mundo rural pode ajudar cidades a adaptarem-se para as mudanças

Sair da cidade e fugir para o campo. Em breve, a estrada estreita-se, as luzes diminuem e os aglomerados humanos afastam-se cada vez mais. Pare e ouça. Silêncio. A expansão urbana é substituída por campos e quintas. Poderia estar num mundo diferente.

Estas representações das fronteiras entre a cidade e o campo têm existido ao longo dos tempos, mas estão a mudar. O crescimento urbano difuso e disperso criou grandes áreas periurbanas (no interior), parcialmente urbanas e parcialmente rurais. As novas tecnologias permitiram novas tendências, tais como pessoas que vivem no campo e trabalham na cidade.

Se houver lições para os funcionários públicos no aproveitamento de ligações rurais-urbanas mais fortes, também poderá haver aplicações na aprendizagem com as comunidades pastoris de todo o mundo. Assim disse Ian Scoones, que há três décadas lidera a investigação sobre o que este grupo nos pode ensinar em termos de resposta às incertezas.

PUB

"Os pastores são guardadores de gado, pequenos criadores de ovinos ou bovinos, pessoas que fazem um uso muito variável das terras, muitas vezes com práticas de nomadismo", disse Scoones, professor de Ambiente e Desenvolvimento no Institute of Development Studies do Reino Unido, e coordenador do projeto PASTRES financiado pela UE.

"Estas pessoas são marginais em termos de economia, política e recursos, mas são centenas de milhões e as terras que utilizam cobrem quase metade da superfície terrestre", afirmou. Embora haja poucos exemplos de pastores que influenciam as políticas, Scoones acredita que há um potencial inexplorado.

Fronteiras indefinidas

"As áreas rurais e urbanas não são tão distintas hoje em dia", diz Han Wiskerke, professor de Sociologia Rural na Universidade de Wageningen, nos Países Baixos. "Eles cruzam-se e interagem. As áreas urbanas expandem-se para os subúrbios e há uma maior atividade económica nas zonas de cinturão verde". De 2017 a 2021, Wiskerke coordenou o projeto ROBUST, financiado pela UE, um projeto paneuropeu, financiado pela UE, centrado na criação de sinergias entre zonas rurais, urbanas e peri-urbanas. Um ponto-chave foi a criação de relações mais fortes entre as comunidades rurais e urbanas vizinhas para as ajudar a prever planos partilhados para um crescimento sustentável.

O Laboratório Vivo ROBUST em Graz (Áustria) ajudou a aumentar a oferta de transportes públicos nas zonas peri-urbanas, reduzindo a utilização de automóveis. A equipa conseguiu isto ao reunir funcionários do governo local, empresas e ONG para analisar os efeitos de um sistema de transporte regional melhorado no comportamento dos cidadãos.

"Estas áreas estão cada vez mais interligadas em termos de populações e atividades, mas muitas vezes ainda existe uma divisão quando se trata da forma como as políticas são determinadas", disse Wiskerke. "Procurámos áreas de interesse comum, onde as comunidades eram interdependentes, e tentámos identificar formas de se apoiarem melhor umas às outras".

Laboratórios vivos

No âmbito deste projeto, o ROBUST examinou a governação e os processos de tomada de decisão em 11 regiões urbanas. O seu conceito de laboratórios vivos abrangeu a Europa, de Lisboa a Liubliana. Os laboratórios vivos foram fóruns que reuniram políticos, investigadores, empresas, prestadores de serviços e cidadãos para cocriar um plano de ação local.

Foram complementados por "comunidades de prática", organizadas em torno de temas prioritários tais como modelos empresariais, infraestruturas públicas, e serviços ecossistémicos. Ao reunir indivíduos que enfrentam desafios semelhantes em toda a Europa, poderiam partilhar informações e experiências de implementação da mudança.

Através do trabalho do Laboratório Vivo ROBUST em Ljubljana (Eslovénia), foi oferecido um novo programa de refeições sustentáveis nas escolas da cidade, fornecendo alimentos nutritivos provenientes de quintas locais. Isto não só reduziu os "quilómetros alimentares" e proporcionou oportunidades para os agricultores locais, como também permitiu oportunidades de educação e literacia alimentar para os alunos.

E em Gloucestershire (Reino Unido), o Living Lab reduziu os efeitos das inundações na cidade de Gloucester ao analisar as intervenções ambientais baseadas na natureza também nas zonas rurais.

"Este projeto veio realçar que, se cuidarmos das nossas zonas rurais, elas também poderão cuidar das nossas cidades", disse Wiskerke.

Gerir a incerteza

O projeto PASTRES sob a direção de Ian Scoones liderou uma equipa global que investigou como os pastores de seis países, China, Índia, Etiópia, Quénia, Tunísia e Itália, lidam com a incerteza. Scoones quer saber as implicações mais vastas que isto pode ter em resposta aos desafios globais de cenários não-pastoris.

Scoones pensa que precisamos de ver como os pastores se organizam e respondem em tempo real face às incertezas, incluindo as ambientais. "Isto é o que os pastores fazem. Se há uma seca, falam com as pessoas, mudam-se, adaptam-se. Não tentam controlar o sistema", disse.

Responder às incertezas ambientais é apenas uma das áreas em que Scoones acredita poder aprender com os pastores. Também poderia haver aplicações em repensar os sistemas de seguros e de assistência social, e na resposta a emergências sanitárias, como a pandemia de covid-19.

"O que aprendemos com a pandemia é muito semelhante à forma como os pastores respondem a um tipo específico de incerteza. A forma mais eficaz de responder à pandemia foi através das pessoas: redes informais que ajudaram verdadeiramente a gerir a incerteza, respondendo, adaptando-se e lidando com os desafios", explicou.

Através do projeto PASTRES a sua equipa de investigadores, estudantes de doutoramento, na sua maioria oriundos de áreas pastorais, viveu no seio de comunidades que realizavam investigação qualitativa e etnográfica para compreender melhor o modo de vida das pessoas, os desafios que enfrentavam e as suas decisões em resposta.

Um elemento importante do trabalho foi uma iniciativa de foto-voz, um método de investigação que permitiu aos pastores registar as suas próprias perspetivas e refletir sobre os seus próprios cenários. "Demos às pessoas câmaras fotográficas para documentar incertezas nas suas vidas, e até partilharam imagens e ideias através da WhatsApp", explicou Scoones.

Ver o pastoralismo

Estas imagens e histórias de pastores foram partilhadas através do sítio Web Seeing Pastoralism e de uma exposição que foi já exibida no Quénia, Estocolmo e integrada na COP26 em Glasgow. No final deste ano, chegará a Bruxelas e será colocada na Comissão Europeia.

Voltando ao ROBUST e a mais longo prazo, Wiskerke espera agora destacar exemplos em que ações locais positivas alcançadas possam ser lançadas como sementes para a elaboração de políticas mais integradas entre áreas rurais e urbanas noutros locais.

O manifesto do relatório final do ROBUST apela a uma muito maior colaboração entre as zonas urbanas e rurais em todas as áreas políticas. "As áreas rurais e urbanas são interdependentes, e espero que este projeto facilite muito mais a elaboração de políticas de colaboração entre elas no futuro", disse Wiskerke.

"Fazer face aos nossos desafios comuns - desde a melhoria dos serviços públicos até à resposta às alterações climáticas - tem de integrar este tipo de desenvolvimento inclusivo".

A investigação neste artigo foi financiada pela UE. Este artigo foi originalmente publicado na Horizon, a Revista de Investigação e Inovação da UE. 

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG