Tabuaço

Apanha 21 anos de cadeia por matar vizinho em disputa de caminho agrícola

Apanha 21 anos de cadeia por matar vizinho em disputa de caminho agrícola

O Tribunal de Viseu condenou, esta quinta-feira, a 21 anos de prisão um homem, de 76, por ter matado, com um tiro de caçadeira no pescoço, um vizinho com quem disputava um caminho agrícola, no concelho de Tabuaço. O crime ocorreu no dia 5 de abril de 2021, na aldeia de Fontainhas, freguesia de Valença do Douro.

O arguido, Fernando Augusto, foi condenado pela autoria de um crime de homicídio qualificado, agravado pelo uso de arma de fogo, e por um crime de posse de arma proibida. Ajustiça ilibou-o de um crime de homicídio qualificado na forma tentada, que a acusação do Ministério Público também lhe imputava, por ele ter apontado a arma de fogo à filha da vítima mortal, Armando Barbosa, de 63 anos.

De resto, o tribunal deu como provados quase todos os factos que constavam da acusação.

PUB

Fernando Augusto e Armando Barbosa andavam desavindos há dois anos devido a um caminho agrícola. O crime ocorreu no dia em que o homicida descarregou entulho de uma carrinha naquele caminho, para bloquear a passagem da vítima.

Armando Barbosa confrontou Fernando Augusto com um sacho, e o segundo foi buscar uma caçadeira à carrinha e atirou a matar sobre o outro, atingindo-o no pescoço. A filha da vítima assistiu a tudo.

"Agiu motivado por um sentimento de vingança contra o senhor Armando por causa de um caminho. Agiu com frieza e de ânimo", criticou a juíza Alexandra Albuquerque, que presidiu ao coletivo, durante a leitura do acórdão.

Lembrando "a personalidade impulsiva, descontrolada, e o caráter agressivo e violento do condenado", a magistrada salientou que Fernando Augusto "agiu com intenção, sem remorsos, de forma violenta e a sangue frio, revelando desprezo pela vida humana".

Já depois de lido o acórdão, a magistrada disse que esperava que o homicida "agora tenha interiorizado o mal que causou". "Disse que estava arrependido, mas não achamos que fosse uma coisa sincera", ajuizou.

"É estranho ver uma pessoa que podia ser pai, avô, tirar a vida de uma pessoa por um caminho, que lá está. São 21 anos por causa de um caminho que lá fica. Só pergunto se valeu a pena ter estragado a vida de Armando, da família dele, e a sua", questionou Alexandra Albuquerque.

Além dos 21 anos de cadeia, Fernando Augusto terá ainda que pagar à família de Armando Barbosa mais de 350 mil euros de indemnizações.

"Pena um bocadinho pesada"

A sala de audiências esteve quase cheia, com familiares da vítima mortal e do homicida. No final da leitura do acórdão, um familiar de Armando exaltou-se e tentou confrontar o arguido, já no exterior da sala. A polícia foi obrigada a intervir.

Também já cá fora, Jorge Martins, um cunhado da vítima, disse que "foi feita justiça". "Se fosse mais um ano ou dois não se perdia nada por aquilo que aquele assassino fez. Ele preparou aquela morte, não se defendeu. Foi feita justiça, mas poderia ter sido mais, porque ele estragou três vidas, da minha irmã e dos meus sobrinhos", afirmou aos jornalistas.

Já Luís Almeida, o advogado de Fernando Augusto, considerou a "pena um bocadinho pesada". "O tribunal não atendeu às declarações do arguido, viu como sendo tudo uma mentira. Parece-me uma pena um bocadinho pesada, dado o confronto que já existia, na altura, entre as duas pessoas", sustentou Luís Almeida, dizendo que a atuação do seu cliente foi "uma forma de defesa", embora "não a melhor. De resto, o advogado afirmou que vai estudar o acórdão e só depois decidirá se avança com um recurso.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG