Luís Neves

Buscas na Câmara de Lisboa não estão relacionadas com Medina ou Costa, diz diretor da PJ

Buscas na Câmara de Lisboa não estão relacionadas com Medina ou Costa, diz diretor da PJ

O diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, esclareceu esta terça-feira que as buscas na Câmara de Lisboa visam mandatos anteriores a Fernando Medina, mas negou qualquer relação com o mandato de António Costa.

"Quando numa determinada investigação, em que já decorreram buscas, é necessário cirurgicamente encontrar um documento ou ir à procura dele, a PJ e o Ministério Público diligenciam", afirmou Luís Neves, adiantando que "foi isso que aconteceu na Câmara de Lisboa".

Recusando falar sobre a investigação por se tratar de "uma diligência que faz parte do segredo de justiça e do inquérito", o diretor da PJ admitiu apenas que em causa estão "factos em investigação, mais antigos até" do que o mandato de Fernando Medina naquela autarquia.

PUB

Questionado sobre se os factos remontam ao mandato do primeiro-ministro, António Costa, enquanto presidente da Câmara de Lisboa, afirmou que "não" e que "quando há suspeitas não tem que ser o mandato de A, B ou C", vincado que "há outras personagens e outros atores que podem ser suspeitos".

Luís Neves falava em Mafra, à margem da apresentação da Operação Floresta Segura, realizada hoje na Tapada Nacional, numa cerimónia que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Na altura, o diretor da PJ referiu-se ainda à detenção do homem suspeito de ameaçar matar o chefe de Estado, para esclarecer que não foi o número de telefone e da conta bancária que conduziram àquela pessoa.

"A investigação que hoje teve uma realização operacional nada teve a ver com esses dados", afirmou Luís Neves, acrescentando que a PJ teve "que trabalhar muito, contínua e arduamente, para chegar a um resultado".

Num comunicado divulgado ao final da manhã, a PJ informou ter detido o suspeito de ameaçar matar o Presidente da República, numa carta enviada para a Casa Civil em que alegadamente era exigido o pagamento de um milhão de euros para não matar o chefe de Estado -- com indicação da conta bancária para onde deveria ser feita a transferência do dinheiro - e que incluía ainda uma bala.

O homem, acusado de "tentativa de extorsão e coação agravada sobre o mais alto magistrado da nação", deverá ser presente a tribunal na quarta-feira para aplicação de medidas de coação.

"É um suspeito já nosso conhecido, já anteriormente detido pela prática de igualmente crimes graves, já condenado", disse ainda o diretor da PJ.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG