Saúde

Comprimidos para sexo no topo das apreensões

Comprimidos para sexo no topo das apreensões

A interceção de medicamentos nas alfândegas por suspeita de falsificação aumentou 48% em 2019. A maioria é para tratamento da disfunção erétil e provém da China, Índia, Brasil e EUA.

Entre 2015 e 2019 foram apreendidas nas alfândegas portuguesas 2,5 milhões de unidades de medicamentos (comprimidos, cápsulas) por suspeitas de falsificação. Só no último ano registou-se a interceção de 721 mil unidades, o que representa um acréscimo de 48% face a 2018, de acordo com os dados disponibilizados ao JN pela Autoridade Nacional de Medicamento (Infarmed).

Refira-se, aliás, que 2019 foi mesmo o ano com mais comprimidos retidos nos últimos cinco anos. Inclusive, naquele ano foram apreendidas nas alfândegas nacionais mais unidades do que no total dos anos de 2017 e 2018 (ver infografia).

Tal como em anos anteriores, China, Índia, Brasil e EUA são os principais países de origem daqueles medicamentos. Com a apreensão de fármacos para tratamento de disfunção erétil no topo. Seguem-se produtos para o sistema nervoso e psicofármacos e ainda analgésicos.

Ler mais na edição impressa ou na versão e-paper