PSP

Diretor de comunicação do F. C. Porto fica com pulseira eletrónica por violência doméstica

Diretor de comunicação do F. C. Porto fica com pulseira eletrónica por violência doméstica

O diretor de comunicação do F. C. Porto Francisco J. Marques, foi detido pela PSP, na terça-feira, por violência doméstica sobre a ex-companheira. Ficou proibido de se aproximar da vítima e será controlado por pulseira eletrónica. No Twitter referiu ser "um alvo a abater" desde 2017 e que "resta-me resistir".

Segundo o JN apurou, a investigação do caso terá sido iniciada no final do mês de janeiro e começou a partir de uma queixa apresentada pela ex-companheira de Francisco J. Marques, que foi encaminhada para o Gabinete de Atendimento e Informação à Vítima da PSP do Porto.

Cumprindo um mandado de detenção, a Polícia deteve-o e conduziu-o ao Tribunal para ser ouvido em primeiro interrogatório judicial, também na terça-feira, tendo o responsável pela comunicação portista sido libertado. Ficou com Termo de Identidade e Residência e proibido de se aproximar da ex-companheira e da filha de ambos - medida de coação que vai ser controlada por pulseira eletrónica, aparelho que lhe será instalado quando estiverem reunidas as condições técnicas para tal.

O JN tentou contactar Francisco J. Marques mas tal não foi possível.

No entanto, o diretor de Comunicação do F.C. Porto usou o Twitter para responder: "Irei naturalmente defender-me, o que começa em interpor recurso desta primeira decisão, defender-me na instrução e posterior julgamento, se esse for o caminho deste processo. E ter paciência, porque o tempo joga a favor da verdade".

"Desde 2017 que sou um alvo a abater, porque houve muita gente que perdeu os privilégios na sequência das divulgações feitas por mim no Porto Canal. Resta-me resistir", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG