Doping

Efapel e Boavista suspendem ciclistas que foram alvo de buscas policiais

Efapel e Boavista suspendem ciclistas que foram alvo de buscas policiais

O diretor desportivo da Efapel, José Azevedo, confirmou, ao JN, que houve uma busca na residência do ciclista Francisco Campos e que este foi constituído arguido, o que levou a equipa a suspender o atleta e a preparar um processo de rescisão de contrato com o atleta.

"Temos uma política de tolerância zero com qualquer assunto que possa estar relacionado com o doping. Assim que tivemos conhecimento que o atleta é suspeito de alguma prática proibida, decidimos suspendê-lo de toda a atividade relacionada com a equipa, e o seu contrato será, no futuro, rescindindo", declarou José Azevedo.

O responsável da Efapel garantiu que as instalações da equipa, sedeada em Vila do Conde, não foram alvo de qualquer busca por parte das autoridades, algo que o JN pode confirmar, na medida em que esteve presente no local esta terça-feira de manhã -, reforçando que a equipa "cumpre com todas as regras de ética impostas pela UCI".

PUB

"Temos um código de conduta interno totalmente rígido no que toca ao doping. Qualquer incumprimento dos atletas para com o mesmo tem uma imediata reação, sem qualquer tolerância. Foi exatamente o que se passou neste caso", vincou José Azevedo.

O diretor desportivo confirmou que Francisco Campos estava escalado para participar na Volta a Portugal, mas dada a sua suspensão imediata será substituído pelo companheiro de equipa Francisco Guerreiro.

"Não podemos ter o atleta entre nós"

José Santos, diretor desportivo da Rádio Popular-Paredes Boavista, também confirmou ao JN que um dos seus ciclistas foi alvo de buscas na sua residência por parte das autoridades, e que tendo em conta a suspeição, a equipa decidiu suspender, no imediato, o atleta.

Ao que o JN apurou, trata-se de Daniel Freitas, que já não vai representar os axadrezados na Volta a Portugal.

"Assim que recolhemos informações sobre o sucedido, não nos restou outra opção que não suspender o ciclista e substituí-lo das nossas opções para a Volta a Portugal. Os atletas sabem que na Rádio Popular-Paredes-Boavista condenamos e não toleramos qualquer prática proibida. Todos têm o direito à presunção de inocência, mas enquanto a situação não ficar totalmente esclarecida não podemos ter o atleta entre nós", garantiu José Santos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG