Investigação

Ex-secretário de Estado metia cunhas a favor de empresário suspeito

Ex-secretário de Estado metia cunhas a favor de empresário suspeito

Almeida Henriques, ex-secretário de Estado e atual presidente da Câmara de Viseu, recebia avença enquanto esteve no Governo e no Parlamento. A Judiciária do Porto escutou o político e tem provas de ligações perigosas.

O ex-secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional e atual autarca de Viseu, Almeida Henriques, está a ser investigado pela Polícia Judiciária (PJ) do Porto e Ministério Público por suspeitas de ter sido facilitador dos negócios de José Agostinho Simões, empresário detentor da marca Tomi, acusado no processo do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP). Através de uma empresa tida por "testa de ferro", o político terá recebido cerca de 120 mil euros pelos serviços prestados enquanto esteve no Governo e no Parlamento.

Ao JN, Almeida Henriques recusou qualquer declaração. No final de outubro, quando o JN noticiou a sua constituição como arguido, o autarca disse: "Só me pronunciarei quando conhecer o que consta do respetivo processo, sendo certo que estarei sempre disponível para colaborar com a justiça".

Para a PJ, Henriques telefonou a autarcas e outros decisores políticos, como Manuel Machado, de Coimbra, e ainda Rui Moreira, do Porto, para que estes recebessem o empresário José Agostinho e assim tentar obter negócios.

Mulher ficou na gerência

De acordo com informações recolhidas pelo JN, a investigação acredita que este "esquema" começou em 2010, quando Almeida Henriques terá começado a receber uma "avença" mensal de 1200 euros através da QI Consultadoria Empresarial, que o então deputado na Assembleia da República deixou de gerir em 2011, passando a gerência para a sua mulher.

Para a PJ, esta empresa foi criada apenas com o intuito de formalizar pagamentos provenientes do empresário Agostinho Simões, sendo que, apesar do abandono da gerência, Almeida Henriques terá mantido sempre o controlo.

O político foi escutado e os investigadores reuniram comunicações trocadas entre os suspeitos, nas quais o agora autarca pediu dinheiro ao empresário. Recorde-se que numa conferência de Imprensa promovida em outubro do ano passado - após uma notícia do JN trazer a lume as primeiras suspeitas - Almeida Henriques procurou demarcar-se de qualquer relação próxima com José Agostinho Simões.

Segundo a nova investigação batizada como Éter III, Almeida Henriques terá, em 2010, aproveitado as suas funções enquanto deputado e membro da Comissão de Assuntos Económicos, lnovação e Energia e do grupo de Trabalho sobre Desenvolvimento Regional para dar informações privilegiadas ao empresário que, naquela altura, estava a criar a empresa Tomi World e a montar um processo para obter milhões de euros em fundos europeus.

Um ano depois, Almeida Henriques tomou posse como secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, passando a estar diretamente ligado aos Fundos Estruturais do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN). A investigação apurou que o QREN atribuiu apoios de 2,8 milhões de euros ao empresário de Viseu e que, graças a deliberações do então governante, passou de uma taxa de cofinanciamento de 70% para 85%. v​​​​​

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG