Polémica

Imigrante ucraniano acusa PSP de Vila do Conde de agressão e xenofobia

Imigrante ucraniano acusa PSP de Vila do Conde de agressão e xenofobia

Um cidadão ucraniano de 48 anos apresentou queixa-crime contra vários agentes da PSP de Vila do Conde por agressão, perseguição e racismo. O Ministério da Administração Interna abriu um processo administrativo de acompanhamento ao inquérito da PSP.

A sua advogada Alexandra Cruz disse ao JN que Valery Polosenko foi alvo de agressões no interior da esquadra, tendo ficado com dois dentes partidos e com escoriações na boca, no tórax e nos braços. As lesões foram confirmadas por uma perícia realizada ao imigrante no Instituto de Medicina Legal.

A jurista diz que a queixa incide sobre os dois agentes que o detiveram, na madrugada de seis de dezembro, por condução com uma taxa ilegal de álcool e os restantes que estavam na Esquadra e a quem pediu ajuda: "tiraram-lhe a carteira e o telemóvel e impediram-no de ligar ao seu habitual advogado. E os restantes faziam de conta que não ouviam as súplicas do Valery", afirma.

Alexandra Cruz diz que os polícias terão ainda usado expressões xenófobas, dizendo-lhe, por várias vezes: "Vai-te embora, vai prá tua terra!.

Contactado pelo JN, o Comando Metropolitano do Porto confirmou a detenção e diz que, após ter sido submetido ao teste de álcool, onde acusou uma Taxa de Álcool no Sangue de 2,56 gramas por litro, (o que é crime) o ucraniano, que tinha antecedentes por crime semelhante, "tentou sair da esquadra e reagiu de forma agressiva contra os polícias, quando foi impedido de o fazer". Por isso, os agentes procederam à sua "restrição e algemagem".

A Polícia acrescenta que "após notificação para comparência em Tribunal, o cidadão saiu livremente da esquadra, tendo prescindido de contacto com familiares e defensor, bem como de observação médica".

PUB

No dia seguinte, Valery Polosenko, que reside e trabalha em Vila do Conde, foi a uma esquadra do Porto apresentar queixa, diz ainda aquele Comando, por uso "excessivo da força". Foi, por isso, elaborado o respetivo auto, o qual foi enviado à autoridade judicial. O Comando portuense abriu, também, um inquérito interno.

A este propósito, a advogada do queixoso diz que é, no mínimo, "estranho" que os agentes que elaboraram o auto por condução com álcool, nada tenham escrito sobre a suposta "agressividade" do ucraniano, só o vindo a fazer, através de um «Aditamento» anexado aos autos já no dia 8, após a sua queixa-crime.

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna informou que "determinou a abertura de um processo administrativo de acompanhamento, por parte da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI), ao inquérito da Polícia de Segurança Pública que averigua a queixa de alegadas agressões a um cidadão de nacionalidade ucraniana numa esquadra". O processo permite à IGAI "acompanhar o evoluir do inquérito da PSP e avocá-lo, caso entenda justificado".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG