Crime

Advogado recusa que cliente tenha matado a mulher em Vieira do Minho

Advogado recusa que cliente tenha matado a mulher em Vieira do Minho

João Magalhães, advogado de António Fidalgo, o homem que terá matado a mulher na noite de quinta-feira, em Vieira do Minho, recusa que o cliente tenha assassinado Ana Paula Fidalgo e afirma que este apenas confessou o crime de violência doméstica.

"O meu cliente não confessou a autoria do homicídio. Quando se entregou na GNR, disse que agrediu a mulher e confessou um crime público, que é violência doméstica. Nunca disse que a matou", explicou ao JN, contrariando a informação de que este teria confessado o homicídio às autoridades. Segundo ele, quando António abandonou o local, a mulher ainda estava viva.

"A mulher terá tentado tirar-lhe dinheiro. Houve zaragata, agressões, estaladas e o meu cliente abandonou a casa. O que aconteceu no local após a saída do meu cliente, não sabemos". A discussão terá acontecido na sequência de acusações antigas de infidelidade. No local, terá ficado o alegado amante da vítima, que alertou a polícia.

O suspeito foi constituído arguido com termo de identidade e residência, mas não está indiciado por crime de homicídio, embora se encontre sob detenção na Polícia Judiciária de Braga. Desconhece-se ainda, também, quando será levado perante o juiz.