Tribunal

Carrilho condenado por agressões a pedopsiquiatra

Carrilho condenado por agressões a pedopsiquiatra

Manuel Maria Carrilho foi condenado a oito meses de prisão, numa pena convertida em multa no valor global de 2400 euros, por ofensas à integridade física do pedopsiquiatra Pedro Strecht.

O caso remonta a janeiro de 2016 quando o antigo ministro da Cultura agrediu e insultou aquele médico especialista, que deu um parecer sobre o estado psicológico dos filhos do arguido que estava em processo de divórcio com a apresentadora de televisão Bárbara Guimarães.

O relatório irritou Carrilho, que acusou Strecht de estar conivente com a apresentadora, tendo partido para o insulto e agressões. Posteriormente, o ex-governante pediu desculpa ao pedopsiquiatra declarando ter agido sob pressão e descontrolo nervoso. As desculpas foram aceites mas o julgamento prosseguiu dado que o crime de ofensa à integridade física qualificado é crime público.

Em outubro passado, Manuel Maria Carrilho foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão com pena suspensa, por violência doméstica, ofensas à integridade física, ameaças e denúncia caluniosa contra a ex-mulher Bárbara Guimarães.

Foi ainda absolvido num outro processo de violência doméstica contra a sua ex-mulher, que remete para o período do casamento, e condenado a um dos 22 crimes de difamação.