O Jogo ao Vivo

Premium

Desempregado enganou centenas de pessoas para chantagem sexual no Facebook

Desempregado enganou centenas de pessoas para chantagem sexual no Facebook

Só depois de analisar os milhares de ficheiros de pornografia de menores e nudez explícita de adultos apreendidos a um homem de 27 anos, residente em Barcelos, é que a Polícia Judiciária (PJ) de Leiria vai perceber a verdadeira dimensão do crime.

Para já, sabe-se que foram centenas as vítimas deste desempregado, entretanto detido, que passava o dia agarrado à Internet, para assegurar a sua subsistência. E fazia-o criando perfis falsos nas redes sociais, fazendo passar-se por mulher ou adolescente. Depois, ganhava confiança com as vítimas, pedia-lhes fotos e iniciava a chantagem.

Segundo informações recolhidas pela PJ, este era o seu modo de vida, pelo menos desde 2011. O Departamento de Investigação Criminal de Leiria já andava a investigar o caso há dois anos, mas como conseguia esconder a verdadeira identidade ao usar dados das vítimas, foi conseguindo escapar ao controlo das autoridades.

Foi entretanto sinalizado por um organismo internacional pela partilha de fotos e vídeos de cariz pornográfico. A PJ foi avisada, fez uma busca à casa do suspeito, e pode agora começar a construir o puzzle que permitirá apurar a quantidade de vítimas e os valores extorquidos, através do material que armazenava em diversos suportes informáticos.

Numa primeira análise ao material apreendido, os investigadores perceberam que o suspeito criou centenas de perfis fazendo passar-se por mulher no Facebook, através dos quais estabelecia amizade com homens.

Extorquia com fotos

Enviava-lhes fotos de nudez (que tiraria da Internet) e convidava-os a fazerem o mesmo. Quando eles acediam, passava à fase da extorsão. Ameaçava colocar as fotos deles na rede e exigia-lhes dinheiro, ou o carregamento de cartões de telemóvel.

Ao mesmo tempo, usava os dados das vítimas para a partilha de fotos e vídeos pornográficos de menores, transformando-as em suspeitas.

Para as camadas mais jovens, segundo fonte da PJ, criava perfis apresentando-se como adolescente, com os quais conseguiu estabelecer amizade com rapazes e meninas, algumas com 10 e 12 anos, às quais convenceu a enviarem fotos de nudez. Depois, fazia chantagem, obrigando-as a enviarem mais fotos, que seriam partilhadas na Internet.

Indiciado pela prática de crimes de pornografia de menores e de extorsão, o suspeito já foi ouvido em primeiro interrogatório por um juiz de instrução criminal, que o constituiu arguido e mandou aguardar julgamento em liberdade, com a obrigatoriedade de se apresentar periodicamente no posto policial da sua área de residência.

1. Troca de fotos - A PJ recomenda aos utilizadores das redes sociais que evitem a "exposição íntima e sexual". Deve haver um cuidado acrescido nos contactos com desconhecidos nas trocas de fotos ou vídeos.

2. Webcams - É aconselhada prudência na utilização das webcams para prevenir situações de devassa grave da vida pessoal e profissional.

3. Menores - Em relação às crianças e menores, a PJ salienta a importância de se estabelecer uma "idade mínima" para a sua adesão às redes sociais e de avisar os mais jovens "das consequências do seu mau uso".

Extorquida oito meses - Uma mulher de Santarém, de 56 anos, foi alvo de extorsão, durante oito meses, entregando a um homem que conhecera num site de encontros amorosos mais de 15 mil euros, para evitar que ele divulgasse fotos em poses comprometedoras, à família e amigos. O suspeito foi detido em flagrante delito em agosto pela PJ.

Dono de supermercados - O dono de uma rede de supermercados de Barcelos entregou 25 mil euros através de sucessivas quantias a um segurança, depois de ser confrontado, em 2015, com filmagens em que se relacionava sexualmente com outra mulher. Um segurança e duas mulheres foram condenados a quatro anos e nove meses de prisão pelo crime de extorsão.

Reclusos com Internet - Dois reclusos na cadeia de Paços de Ferreira conseguiram ter acesso a telemóveis com Internet e, através de redes sociais para encontros amorosos, contactavam com mulheres para as chantagear. Umas das vítimas foi extorquida, em 2017, em 600 euros. Era chantageada com a divulgação de um vídeo íntimo que não existia. O caso foi descoberto depois da vítima se queixar.

ver mais vídeos