Premium

Em apenas dois meses foi apreendida quase tanta cocaína como no ano passado

Em apenas dois meses foi apreendida quase tanta cocaína como no ano passado

A quantidade de cocaína apreendida em Portugal tem aumentado desde 2016, ano em que as autoridades recuperaram cerca de uma tonelada desta droga. No ano seguinte, o valor subiu para mais do dobro e, em 2018, ultrapassou as cinco toneladas. Já nos primeiros dois meses deste ano foram aprendidas 3,6 toneladas só pela Polícia Judiciária (PJ).

Ao JN, o diretor da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE), Artur Vaz, explica estes números com o aumento de produção de cocaína na Colômbia, Bolívia e Peru e com o facto de Portugal ser uma das portas de entrada desta droga na Europa [ver entrevista]. O mesmo sustenta o diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), João Goulão, que realça, contudo, a "estabilidade" das estatísticas que definem o panorama do consumo de estupefacientes em Portugal. "Este aumento da quantidade de cocaína apreendida corresponde a um aumento da eficácia das autoridades que, desde a entrada em vigor da lei da descriminalização do consumo de drogas, têm concentrado a atenção nas principais rotas do tráfico", defende.

Menor preocupação