Premium

Seguro não paga acidente que filha teve com carro da mãe

Seguro não paga acidente que filha teve com carro da mãe

Mulher declarou ser condutora habitual de viatura que, na verdade, era usada pela descendente. Seguradora rescindiu contrato e exigiu ser ressarcida em 13 mil euros. Tribunal deu-lhe razão.

Uma mulher que, para obter um seguro mais barato, declarou ser a condutora habitual de um carro normalmente guiado pela filha foi condenada a pagar à seguradora os custos que esta teve com um acidente em que a jovem esteve envolvida. A decisão judicial, que decorre da rescisão do contrato celebrado entre as partes, foi agora confirmada pelo Tribunal da Relação de Lisboa (TRL). Em causa estão mais de 13 mil euros referentes a danos patrimoniais e tratamentos hospitalares.

O caso remonta a 5 de setembro de 2012, quando, segundo o acórdão do tribunal superior, a ré assinou um contrato de seguro de responsabilidade civil automóvel sobre um veículo do qual declarou, falsamente, ser a condutora habitual. Cerca de um ano depois, a 13 de setembro de 2013, o carro chocou com um autocarro num cruzamento na zona do Montijo, depois de a condutora desrespeitar o sinal de trânsito ali existente.

Imobusiness