Premium

Irmandade de Santa Cruz cobrava até 40 mil euros de joia por vaga no lar

Irmandade de Santa Cruz cobrava até 40 mil euros de joia por vaga no lar

O Ministério Público de Braga acusou a Irmandade de Santa Cruz, a mais antiga de Braga, e o seu ex-provedor, Carlos Cruz Vilaça, de 74 anos, do crime de corrupção passiva no setor privado, por terem recebido indevidamente 297 mil euros, correspondentes a "donativos" ou joias de entrada de 12 idosos no lar da instituição.

Vilaça, que foi provedor entre 2006 e 2014, é acusado de, à revelia das normas constantes dos acordos celebrados com a Segurança Social, exigir verbas que oscilavam entre dez e 40 mil euros, para garantir a admissão de pessoas idosas nas instituição.

O magistrado realça que a Irmandade - uma instituição particular de solidariedade social e também de direito canónico centenária, supervisionada pela arquidiocese - "não tinha uma lista de espera devidamente estruturada que permitisse determinar quais os critérios de admissão de uns utentes em detrimento de outros".