Violência

Pancadaria em praia fluvial por causa das motas de água

Pancadaria em praia fluvial por causa das motas de água

Várias pessoas envolveram-se em confrontos físicos, domingo à tarde, na Praia Fluvial de Bitetos, no Marco de Canaveses, depois de os nadadores salvadores terem chamado a atenção de um grupo que entrou com motas de água na zona reservada a banhistas.

Ao que o JN apurou, o incidente ocorreu depois de um grupo de pessoas em motas de água se ter aproximado das boias de proteção, que delimitam o espaço onde os banhistas podem nadar. Perante o sucedido, um dos nadadores salvadores que estava de vigilância à praia dirigiu-se, em cima de uma prancha, até ao grupo, alertando-os para o facto de que não podiam estar no local, por estarem a colocar em perigo os banhistas. Acabou por se ver obrigado a regressar à praia, a nado, pois o grupo tirou-lhe a prancha e fugiu do local.

Apesar da informação avançada ao JN, que dava conta de que a discussão se iniciou quando o nadador salvador chegou à margem do rio e que envolveu pessoas com ligações aos elementos que se deslocam nas motas de água, o nadador salvador que foi alertar os indivíduos das motas de águas para o facto de estar a colocar em perigo os banhistas na praia, conta outra versão do sucedido. "Depois de eu ter sido agredido quando os foi alertar e de ter ficado sem a prancha, regressei à praia e essas pessoas vieram atrás de mim e deram início a nova discussão, havendo várias pessoas que foram em minha defesa e foram agredidas", relatou ao JN o nadador salvador.

PUB

Gerou-se grande confusão no local que obrigou à intervenção da GNR de Alpendorada, que identificou quatro das pessoas envolvidas nos confrontos. No local estava ainda a Polícia Marítima, que conseguiu identificar um dos elementos que se encontrava nas motas de água.

O nadador salvador agredido disse ainda que, juntamente com outras pessoas que foram agredidas se deslocaram ao hospital para receber tratamento. O nadador salvador apresentou ainda queixa às autoridades contra os agressores.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG