O Jogo ao Vivo

Investigação

PJ desmantela "gangue das áreas de serviço"

PJ desmantela "gangue das áreas de serviço"

A Polícia Judiciária do Porto desmantelou um gangue suspeito de inúmeros assaltos a bombas de gasolina, situadas em áreas de serviços de autoestradas do Norte. Foram detidos três indivíduos.

Os três detidos, com idades entre os 26 e os 32 anos e residentes em Matosinhos e Vila Nova de Gaia, são suspeitos de terem efetuado vários roubos, com grande violência, nas áreas de serviço da A1, A3, A4, A7, A11, A25, A28 e A29, onde era subtraído, principalmente, dinheiro e tabaco. Em Estarreja e Penafiel não hesitaram em disparar contra patrulhas da GNR para conseguir fugir.

A série de assaltos terá começado em novembro do ano passado.

"Os mesmos suspeitos levaram também a cabo inúmeros furtos qualificados, com arrombamento, em postos de abastecimento de combustíveis, supermercados, outros estabelecimentos comerciais e numa estação dos CTT, destruindo montras e arrancando grades, em diversas zonas do Norte e do Centro do país, designadamente Porto, Braga, Vila Real, Viseu, Aveiro e Guarda", adianta a PJ em comunicado.

As detenções, efetuadas em colaboração com a GNR, foram seguidas de buscas domiciliárias nas zonas de Matosinhos e Vila Nova de Gaia.

Os indivíduos estão indiciados por crimes de homicídio na forma tentada, roubo agravado, violência depois da subtração, furto qualificado e falsificação de documentos.

PUB

"Em duas situações, em março e abril, em Estarreja e Penafiel, os suspeitos, após serem detetados em flagrante delito de furto pela GNR, em dois postos de abastecimento de combustíveis, reagiram a tiro, disparando tiros de caçadeira contra aquela força policial", precisa a PJ.

Os detidos, sem ocupação profissional e com vários antecedentes criminais, estão já sujeitos a medidas de coação por crimes semelhantes. Um deles tem de se apresentar três vezes por semana às autoridades e o outro tem obrigação de permanência na habitação. Vão esta terça-feira a tribunal para o primeiro interrogatório judicial.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG