O Jogo ao Vivo

Recurso

Portugueses acusados de violação em Gijón vão ser libertados

Portugueses acusados de violação em Gijón vão ser libertados

Os dois jovens portugueses detidos em Gijón, Espanha, por suspeita de violação de uma jovem vão poder sair em liberdade mediante o pagamento de uma caução de cinco mil euros cada um.

Os jovens deverão regressar a Portugal ainda durante a manhã de hoje, sexta-feira. Segundo o advogado Germán Inclán, a Audiência Provincial de Oviedo aceitou o recurso e decidiu que os jovens poderão aguardar o desenrolar do processo em liberdade. Inclán acrescentou que para tal terão de pagar uma caução de cinco mil euros cada.

Segundo a imprensa espanhola, as famílias dos portugueses já terão pago a caução no dia de ontem, mas não terão conseguido agilizar os procedimentos para a libertação nesse mesmo dia. Espera-se que os jovens saíam ao início desta manhã da cadeia localizada em Villabona e regressem de imediato a Portugal.

Recorde-se que, no dia 24 de julho, quatro jovens portugueses foram detidos por suspeita de violação. As vítimas seriam duas mulheres de 23 e 24 anos.

As duas mulheres, uma asturiana e outra basca, queixaram-se de ter encontrado um homem num bar e que foram com ele para a pensão onde estava hospedado para um encontro sexual. No caminho, teriamºse encontrado com os outros jovens. Ainda segundo a versão das raparigas, já no interior da pensão, os quatro terão obrigado as queixosas a manter relações sexuais contra a sua vontade.

Os portugueses rejeitam liminarmente as acusações. Confirmam que mantiveram relações com as raparigas mas que foi tudo consentido e não as forçaram a nada.

Entretanto, dois dos acusados receberam ordem de libertação provisória e regressaram a casa no distrito de Braga. Os outros dois permaneceram em prisão preventiva em Espanha desde o dia 26 de julho.

PUB

A defesa apresentou um primeiro recurso para a libertação dos portugueses mas este foi negado. A juíza considerou que existia perigo de fuga. O advogado Germán Inclán recorreu para um tribunal superior que agora lhe deu razão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG