Setúbal

PSP apreende armas a guarda prisional que se diz perseguido por ser eleito pelo Chega 

PSP apreende armas a guarda prisional que se diz perseguido por ser eleito pelo Chega 

A PSP de Setúbal apreendeu armas de fogo a um guarda prisional em Setúbal, eleito pelo Chega à Assembleia de Freguesia de São Sebastião. A operação deu-se no âmbito de um processo por ameaça contra Cláudio Fonseca, 48 anos, denunciado por exibir armas em público, de forma ameaçadora.

O guarda prisional diz-se inocente e, em comunicado publicado nas redes sociais, refere ser alvo de perseguição por ser eleito do Chega. Também garante que nunca foi detido, ao contrário do que foi indicado em comunicado da PSP de Setúbal.

As armas - uma pistola Glock 19 (9mm), um revólver Taurus (357 magnum), um bastão extensível, um aerossol de defesa e várias munições - foram apreendidas no cofre da sua empresa de restauração, na cidade de Setúbal. De acordo com a PSP, são ilegais, mas Cláudio Fonseca nega. "Tenho licença quer da pistola quer do revólver, estando ambas legais, tendo isso sido verificado no momento pelas forças de segurança e mesmo assim optaram por apreender as mesmas, talvez por ficarem bem na fotografia", pode ler-se na mensagem publicada, onde refere ainda que as munições são também "legais" e "de coleção". Quanto ao bastão, tem-no "desde os tempos em que dava aulas" e o spray "estava apenas fora de validade".

Cláudio foi constituído arguido por posse ilegal de arma e notificado para se apresentar a tribunal, tendo saído com termo de identidade e residência. "Não vale tudo na política, tinha perfeita noção da perseguição feita ao Chega e ao que vinha, mas comigo nada menos do que a verdade", frisou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG