O Jogo ao Vivo

Bragança

Quatro arguidos pela morte de Luís Giovani requereram a abertura da instrução

Quatro arguidos pela morte de Luís Giovani requereram a abertura da instrução

Quatro dos sete arguidos no caso da morte do estudante cabo-verdiano Luís Giovani Rodrigues, em Bragança, requereram a abertura da instrução do processo e pretendem pôr em causa a totalidade ou parte da acusação, nomeadamente a tese de homicídio qualificado.

Os quatro arguidos pretendem a desqualificação dos crimes, com a acusação a ficar-se pelas ofensas corporais. Querem ainda que sejam reunidas mais provas do que terá acontecido na madrugada de 21 de dezembro na avenida Sá Carneiro, em Bragança, quando o jovem de 21 anos foi espancado, acabando por morrer no dia 31 de dezembro no Hospital de Santo António, no Porto, depois de ter estado 10 dias em morte cerebral.

Sete homens, com idades entre os 24 e os 35 anos, estão indiciados da prática de quatro crimes de homicídio qualificado agravado, sendo um na forma consumada e três na forma tentada. A dois dos arguidos foi ainda imputada a prática de um crime de detenção de arma proibida.

A Polícia Judiciária havia detido oito homens, mas o oitavo, um jovem de 22 anos, ex-bombeiro, está acusado da prática do crime de favorecimento pessoal por ter guardado uma das armas usadas na rixa a pedido de outro arguido.

As primeiras detenções ocorreram a 16 de janeiro, quando a PJ deteve cinco homens. Mas em junho os inspetores juntaram mais três suspeitos.

Ao que o Jornal de Notícias apurou Giovani sofreu lesões severas por ter sido espancado com muita violência com paus, cintos, murros e pontapés quando estava em pé, mas sobretudo após ter tombado no chão.

Nessa altura estava sozinho, porque amigos tinham fugido do local. As lesões que se revelaram fatais, descritas na acusação, são condizentes com o grau de violência alegadamente exercido pelo grupo de homens, tal como já havia sido apurado durante a reconstituição do crime.

Nenhum dos sete arguidos acusados pelo Ministério Público pela morte do estudante Luís Giovani Rodrigues confessou ter agredido o jovem de 21 anos.

A prova apresentada baseia-se em testemunhos e escutas telefónicas.

Outras Notícias