Cerimónias fúnebres

Valentina sepultada na campa da bisavó no Bombarral

Valentina sepultada na campa da bisavó no Bombarral

Valentina Fonseca, a menina de 9 anos morta e abandonada pelo pai e madrasta num pinhal em Peniche, vai ser sepultada, esta terça-feira à tarde, no cemitério do Bombarral, na campa da bisavó.

A autópsia foi levada a cabo na segunda-feira e o corpo foi libertado pelas autoridades para que o funeral fosse realizado esta terça-feira na terra natal da mãe, às 17 horas. Devido às medidas de contenção da pandemia da covid-19, as cerimónias fúnebres serão reservadas aos familiares.

Durante a tarde, o pai Sandro e a madrasta Márcia foram ouvidos em primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Leiria, onde a Polícia Judiciária os levou esta manhã. As medidas de coação só deverão ser conhecidas na quarta-feira, uma vez que o casal decidiu explicar-se perante o juiz de instrução criminal.

O pai e a madrasta estão indiciados pelo crime de homicídio e ocultação de cadáver.

Na quarta-feira, na casa da família em Atouguia da Baleia, Peniche, depois de uma disputa com o pai, quando este lhe dava banho, a criança terá sido alvo de violentos golpes da cabeça, levando à sua asfixia. Essas são, pelo menos, as primeiras conclusões da autópsia.

Depois de se aperceber da morte da filha, Sandro e Máricia transportaram o corpo para uma zona de pinhal, a cerca de cinco quilómetros de casa, na serra D'el Rei. Após dois dias de buscas em que pai e madrasta fingiram o desaparecimento da criança, o corpo de Valentina foi encontrado e, poucas horas depois, Sandro e Márcia eram detidos.

Sandro alegou às autoridades que a criança tinha sofrido violentas convulsões, afirmando que a menor tinha morrido de forma acidental. No entanto, a autópsia contrariou a versão do progenitor.