Futebol

Vitória acusa Pedro Proença de desrespeitar separação de poderes

Vitória acusa Pedro Proença de desrespeitar separação de poderes

A Direção do Vitória Sport Clube, de Guimarães, emitiu um comunicado com um conjunto de críticas ao presidente da Liga Portuguesa de Futebol, Pedro Proença, por este ter considerado "lamentável" a decisão que absolveu um adepto vitoriano que tapou o rosto no estádio.

A decisão é a do Tribunal de Guimarães, noticiada pelo JN no sábado, que absolveu um adepto do Vitória de ter tapado parcialmente o rosto com o capuz do casaco, no mesmo jogo em que se deu o caso Marega. A Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência do Desporto (APCVD) foi quem instaurou a multa, de 750 euros mais custas do processo, mas o adepto recorreu e o tribunal deu-lhe razão.

Sábado, Pedro Proença classificou de "lamentável" a decisão, sublinhando que a mesma "coloca em causa os esforços que as instâncias desportivas têm feito na exclusão de comportamentos nocivos do Desporto". Agora, o clube vitoriano critica a reação do presidente da Liga: "O presidente da Liga Portugal desrespeita, com este tipo de intervenções, o princípio da separação de poderes, servindo-se do julgamento de um ato que em si mesmo é absolutamente inócuo e comum a todos os estádios e pavilhões e a todos os desportos".

PUB

O Vitória explica que "tomou conhecimento, através do Jornal de Notícias deste sábado, de uma decisão judicial que anulou a multa de 750 euros" e que "foi com estranheza" que viu Pedro Proença classificar de "incompreensível e lamentável a decisão" do Tribunal de Guimarães.

"Em momento algum da referida notícia é levantada qualquer suspeita sobre eventuais comportamentos discriminatórios por parte do adepto do Vitória, estando somente em apreciação um gesto que a APCVD julgou como de ocultação de identidade e que o Tribunal não validou, anulando a multa aplicada", refere o comunicado.

O clube de Guimarães entende que a posição de Pedro Proença contribui para a "legitimação de preconceitos e generalizações", a poucos dias de um jogo entre o Vitória S.C. e o F.C. Porto, lamentando ainda o silêncio recente do presidente da Liga que nada disse sobre uma carga policial que o clube "denunciou e documentou como um excesso e uma arbitrariedade".

A terminar, o comunicado vitoriano pede a Pedro Proença que esclareça o seu posicionamento, assegurando que "o Vitória Sport Clube esteve e estará na linha da frente para erradicar a violência do desporto, o que em momento algum pode ser confundido com purgas, estigmas ou punições seletivas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG