Solidariedade

Leitor do JN percorreu 460 quilómetros para oferecer computador a irmãos

Leitor do JN percorreu 460 quilómetros para oferecer computador a irmãos

De Chaves a Águeda, José Ventura percorreu 460 quilómetros para entregar um computador a Gonçalo e Rafael, que não tinham como ter aulas à distância. O gesto solidário do empresário surgiu após ter lido a história dos dois irmãos no "Jornal de Notícias".

Gonçalo Seabra Cruz, 13 anos, mal conseguiu falar. O irmão Rafael, de sete, saltou de contente. A mãe, Isabel Seabra, primeiro abriu-se em sorrisos e depois emocionou-se ao ponto de ir às lágrimas. Foi assim que a família de Águeda, sem posses para comprar um computador que permita que os filhos tenham aulas à distância, reagiu quando recebeu das mãos de José Ventura o tão desejado equipamento.

O empresário do ramo da hotelaria, de 48 anos, natural do Porto, mas a residir em Chaves, deixou-se sensibilizar quando leu no JN a história que relatava as dificuldades dos irmãos. Falou com as filhas, Mika e Caetana, de nove e sete anos, e em conjunto decidiram doar um dos dois portáteis das meninas à família de Águeda.

Mais Internet e livros

José percorreu cerca de 460 quilómetros, numa viagem de seis horas ida e volta, para cumprir a promessa e entregar, em mãos, o computador. Também assegurou um ano de Internet, que a escola irá tratar de contratar e instalar nos próximos dias, e ofereceu livros e brinquedos escolhidos pelas filhas.

"Valeu a pena a viagem, para ver a alegria dos irmãos e como isto foi importante para eles", disse, no fim do breve encontro, no alpendre da casa, onde se abrigaram da chuva torrencial.

PUB

"É bom, não estava à espera", deixa escapar Gonçalo, aluno do 6.º ano que sofre de dislexia e necessita de acompanhamento especial nas aulas. Tal como o irmão Rafael, promete aplicar-se nos estudos e valorizar o equipamento.

"É um instrumento de trabalho, têm de cuidar dele com responsabilidade para não se estragar", adverte a professora Manuela Laranjeira, diretora de turma do Gonçalo. Os irmãos, diz, "merecem". "São cumpridores e gostam de aprender. Vamos fazer o possível para que tenham o devido acompanhamento", acrescenta. José Ventura garante que vai estar "atento" ao empenho dos meninos.

A mãe, Isabel Seabra, que receava que os filhos "ficassem para trás" na aprendizagem, devido à falta de meios, contém a emoção por instantes para dizer que esta é uma "oportunidade" que não devem desperdiçar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG