Santa Maria da Feira

CGTP apresenta queixa contra corticeira que terá castigado funcionária

CGTP apresenta queixa contra corticeira que terá castigado funcionária

A CGTP vai apresentar queixa no Ministério Público contra a corticeira de Paços de Brandão, Feira, que acusa de "tortura psicológica e assédio moral" à trabalhadora obrigada a carregar e descarregar a mesma palete várias vezes ao dia.

O anúncio dessa iniciativa foi comunicado pelo próprio secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, na manhã desta sexta-feira, na manifestação que juntou dezenas de representantes sindicais em solidariedade com a trabalhadora.

Esta posição, contra a empresa Fernando Couto - Cortiças, S. A., surge depois do Sindicato dos Corticeiros ter denunciado publicamente que Cristina Tavares, estava a ser alvo de "castigo" diário após o Tribunal da Relação ter ordenado a sua reintegração na empresa. A trabalhadora diz que, entre outros castigos, é obrigada a carregar e a descarregar a mesma palete cerca de 30 vezes.

"Estamos perante uma situação inadmissível". "A trabalhadora não está a produzir, porque a empresa não deixa e está a desgasta-la e a tortura-la psicologicamente", afirmou Arménio Carlos.

Garante que, "perante um incumprimento da legislação repetidamente assumido pela empresa, a CGTP e o Sindicato dos Corticeiros vão apresentar uma queixa ao Ministério Público contra a empresa", porque, "situações como está não podem continuar a existir no país", justificou.

"Temos uma empresa que sabe que está a violar a lei em vários artigos, mas persiste em manter esta situação inadmissível". "O Ministério Público deve ter uma intervenção rápida", referiu.

Deixou, ainda, críticas à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT). "Não basta levantar autos". "É preciso que ao fim de quatro meses anuncie as coimas que resultam da violação da empresa". E garantiu que se tal não acontecer, vai "solicitar uma reunião com urgência ao ministro do Trabalho".

"Não estás sozinha contra o poder arrogante e prepotente". "Não te vamos deixar sozinha "garantiu o secretário-geral da CGTP, dirigindo-se à trabalhadora.

Cristina Tavares acabaria por afirmar aos jornalistas um certo "cansaço". "Estou a ficar cansada, mas tenho que lutar porque é o meu único posto de trabalho e o meu sustento".

Corticeira recusa acusação

A administração da Fernando Couto - Cortiças, S. A. convidou Arménio Carlos para visitar a empresa, mas este declinou o convite. Respondeu que o faria quando a empresa terminasse com aquela situação de "assédio moral"

O advogado da empresa, Luís Castro, diz estar "tranquilo" para "enfrentar" a queixa da CGTP. Considerou "inoportuna" a manifestação dos sindicatos, numa altura em estão "em negociações para resolver a situação".

Adiantou que a funcionária "está a exercer uma atividade que ela escolhe diariamente". "Não temos um posto definido para ela nem para as outras, (...) está a fazer trabalho indiferenciado como já fazia", disse.

Mais tarde, em comunicado, esclareceu ainda que, as acusação de prática de assédio moral sobre uma trabalhadora, "não corresponde à verdade e contrariam os princípios pelos quais se regem esta empresa".

"Rejeita-se, veementemente, a autoria de qualquer ato ou comportamento que molestem a dignidade pessoal de qualquer assalariado ao nosso serviço", comunicou.

Imobusiness