AUTÁRQUICAS 2021

Problemas da barra de Esposende ainda não têm fim à vista

Problemas da barra de Esposende ainda não têm fim à vista

O assoreamento na foz do rio Cávado e a destruição da restinga preocupam a cidade. O rio perdeu força, principalmente pela construção de várias barragens, que retêm a água, e já não consegue depositar areias no mar. O Atlântico é uma ameaça e os riscos ambientais são tema central do debate eleitoral com vista às autárquicas de 26 de setembro.

Centenas de pescadores sentem os perigos de sair e entrar no mar na barra de Esposende. "O problema maior é o assoreamento, as areias que não saem da foz. É perigosíssimo. Quase diariamente, alguma embarcação fica encalhada", afirma Hugo Eiras, da Associação de Pescadores de Esposende, que conta com mais 200 associados. "Por sorte nunca aconteceu uma tragédia", acrescentou.

Por isso, a saída para o mar é sempre feita de forma limitada. "Os pescadores só podem sair três horas antes e três horas após a preia-mar", refere o capitão do porto de Esposende, Luís Matias, lembrando que, por ser uma barra natural, está sujeita às alterações climáticas.

Há vários fatores que aumentam a perigosidade da barra. Desde a movimentação de areias, passando pela redução do caudal dos rios, pela ondulação do mar, pelas marés vivas, pelos invernos rigorosos, tudo contribui para tornar aquele local peculiar.

"Tem uma dinâmica brutal", salienta o capitão Matias, a quem compete manter a segurança da navegação. "Se cumprirem as instruções de entrada e saída, que é quando temos um nível de água satisfatório, não há grandes problemas e, felizmente, não temos tido incidentes", conclui.

No passado mês de maio, durante a inauguração da doca de pesca de Esposende, o ministro do Mar, Ricardo Serrão, anunciou o desassoreamento da foz do Cávado ainda este ano. A última dragagem foi realizada em 2018. Três anos depois, é já necessária nova intervenção.

erosão

PUB

A destruição da restinga é outra das principais preocupações. É um perigo, não só para a comunidade piscatória, mas também para a zona urbana. Sem o obstáculo natural, o mar ameaça chegar à marginal de Esposende.

"Em dois anos, a restinga ficou quase sem areia, sofreu uma erosão enorme", afirma Hugo Eiras, antes de deixar um alerta: "Não vai demorar muito até o mar chegar às casas, porque a restinga é que protege a investida do mar e está a desaparecer".

Aquela zona sofreu uma intervenção em 2015, com a colocação de geocilindros, promovendo a estabilização da restinga, uma solução que foi encontrada por um grupo de trabalho com diversas entidades locais e nacionais.

Contudo, ao fim de pouco mais de um ano, estava completamente destruída, havendo direito a verbas indemnizatórias por parte do fornecedor dos geocilindros, no valor de um milhão e 50 mil euros.

Desde aí, a erosão daquela zona é cada vez mais visível , aumentando a necessidade de acelerar o processo para uma nova intervenção.

Benjamin Pereira - PSD

O presidente da Câmara de Esposende e candidato do PSD à reeleição diz que os problemas na barra se perdem no tempo e que a responsabilidade é do poder central.

No entanto, salienta que "o Município está empenhado em resolver os problemas dos pescadores" e que, por isso, "encomendou um projeto, cujo segundo relatório será apresentado nos próximos dias". "A meu ver, apresenta soluções consistentes para o problema", conclui.

Luís Peixoto - PS

Para Luís Peixoto, candidato do Partido Socialista, a solução não passa só pela barra de Esposende, mas por toda a dragagem do rio Cávado, tornando-o navegável.

"É necessário uma dragagem contínua e, ao fazer isso, a corrente vai ganhar força e vai colocar inertes na restinga", afirma o candidato.

Além disso, diz que é preciso fazer um "enrocamento na restinga" para resolver o problema "de uma vez por todas".

Areia de Carvalho - CDS

O candidato do CDS não alinha "num discurso de soluções fáceis" e lembra que "a solução técnica tem de ser deixada para os técnicos".

Para José Paulo Areia de Carvalho, urge congregar as forças políticas do concelho para "poder pressionar o poder central" e para se resolver o problema.

"Devia ser criado um grupo de trabalho com todas as forças políticas para estudar todos os impactos negativos da orla costeira", termina o candidato do CDS.

Isabel Novais - CDU

Isabel Novais, candidata da CDU, lembra o que partido anda há anos a defender duas coisas: "A navegabilidade do rio e a construção de um molhe".

Para isso, seria necessário, em primeiro lugar, criar uma empresa pública de dragagens para fazer "o desassoreamento contínuo da foz do Cávado.

"Além disso era necessário construir um molhe para travar a investida do mar e facilitar a entrada e saída do mesmo", remata.

* JN falou apenas com candidatos de partidos com assento na Assembleia Municipal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG