Tributo

O pediatra dos pobres de Famalicão que dava consultas e medicação grátis

O pediatra dos pobres de Famalicão que dava consultas e medicação grátis

Miguel Carvalho Machado dava consultas grátis a filhos de operários e emigrantes. Aos 83 anos, vai ser homenageado com um almoço.

"Os meus doentes eram quase todos filhos de operários têxteis, pobres, muitos sem dinheiro para os medicamentos e eu ainda lhes ia cobrar a consulta? Não podia fazer isso. Saía do consultório sempre tarde e, enquanto tinha, ainda dava caixas de medicação aos pais", recorda o pediatra Miguel Machado.

O médico faz hoje 83 anos, mas é avesso a homenagens. Mesmo assim, a associação Casa de Memória Viva, em Famalicão, conseguiu marcar um almoço, no dia 24, aberto (mas com inscrição) à população. "Sou filho único, não tenho filhos, tenho sobrinhos que adoro, mas que não precisam do meu dinheiro, por isso, ajudo pessoas e instituições conforme posso", frisou.

Formou-se em outubro de 1968 e trabalhou sempre em hospitais do Norte. O Hospital de Famalicão e os centros de saúde de Joane e Famalicão foi onde esteve mais anos. Foi o pediatra de várias gerações, quer no hospital, quer no único consultório privado que teve (em Joane) quer nas instituições privadas de solidariedade social (IPSS) por onde passou.

Na política, aceitou uma vez ser candidato pelo CDS. "Estive na política numa altura em que as bases eram boas e a política tinha por objetivo o bem comum. Quando deixou de ser assim, afastei-me para sempre", recordou.

Nos últimos anos, os operários têxteis começaram a ser substituídos por emigrantes. "As pessoas passam a palavra e atendi centenas de pessoas dos países do Leste, do Brasil e africanos, que iam ao meu consultório porque sabiam que eu não lhes cobrava a consulta", recorda.

Já aposentado, ainda dá consulta em IPSS de Famalicão. "Sou um homem feliz, sinto-me muito acarinhado pelas pessoas e é uma alegria ir na rua e ser cumprimentado por toda a gente. Para mim, esta é que é a verdadeira homenagem", finalizou.