Varandas de Sousa

Trabalhadores da maior empresa de produção de cogumelos em greve por aumento salarial

Trabalhadores da maior empresa de produção de cogumelos em greve por aumento salarial

Os trabalhadores da Varandas de Sousa, o maior grupo de produção de cogumelos do país, anunciaram uma greve para terça-feira nas unidades de Paredes, Vila Real e Vila Flor, "em protesto contra a falta de resposta da administração ao seu caderno reivindicativo", adiantou o SINTAP (Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal).

As ações de protesto, que começam à meia-noite, vão realizar-se à porta das três unidades de produção, onde durante a manhã será apresentado o caderno reivindicativo, que exige "aumento salarial devido ao extraordinário aumento do custo de vida", impossível de dar resposta com o salário mínimo nacional, generalizado na empresa", referiu a mesma fonte sindical.

Os trabalhadores exigem ainda a melhoria do subsídio de refeição, atualmente com um valor de 2,5 euros, por considerarem que "é claramente insuficiente para pagar ou adquirir qualquer refeição, por mais modesta que seja, ou em que local for", acrescenta o SINTAB.

PUB

A Varandas de Sousa é a empresa âncora do Grupo Sousacamp, nascido na freguesia de Benlhevai, em Vila Flor, que nos últimos anos passou por um processo de insolvência, "acabando por beneficiar de um perdão de dívida de cerca de 60 milhões de euros de dinheiros públicos, por intermédio do Novo Banco, no processo BES", vinca o sindicato.

Durante o processo de insolvência, a empresa foi adquirida no ano 2020 pela Core Capital, uma Sociedade Gestora de Capital de Risco, que mantém 90% do controlo da sociedade, cedendo 10% à Sugal, maior produtor europeu de concentrado de tomate.

Aquele sindicato critica ainda a Varandas do Sousa por alegadamente estar "a recrutar trabalhadores externos, por intermédio de angariadores de mão-de-obra, para fazer face à greve" decretada pelos trabalhadores. "Para a greve de amanhã, são inúmeras as ofertas de trabalho colocadas nas redes sociais, por angariadores de mão-de-obra, tanto para o feriado de hoje como para o dia de amanhã, representando uma clara violação do direito à greve", afirma a fonte sindical.

Até ao momento não foi possível contactar a direção da Varandas do Sousa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG