País

Passagens de nível com os dias contados

Passagens de nível com os dias contados

As passagens de nível nas estações de S. João (rodoviária) e S. Pedro do Estoril (pedonal), as últimas que restam em Cascais, vão ser eliminadas até Dezembro de 2010. Esta última tem feito dezenas de vítimas só no último ano.

Na estação de S. Pedro do Estoril, cuja travessia pedonal tem sido palco de dezenas de mortes nos últimos tempos devido à retirada da guarda, a Refer ( Empresa Ferroviária Nacional) compromete-se construir duas passagens pedonais inferiores que irão permitir a eliminação do atravessamento por parte dos peões.

Já em S. João do Estoril vai ser construído um túnel que fará a ligação rodoviária entre o norte da freguesia e a Avenida Marginal, eliminando a travessia dos carros à superfície.

PUB

Trata-se de um investimento de 13,1 milhões de euros, cujo objectivo visa "suprimir as duas passagens-de-nível que existem no concelho até 2010", adiantou, ontem, Luís Pardal, presidente do Conselho de Administração da Refer, na assinatura do protocolo com o Município de Cascais.

"A sinistralidade é um problema que temos presente" acrescentou ainda, adiantando que "nos últimos nove anos, a Refer tem gasto 270 milhões de euros a suprimir as passagens-de-nível", acrescentou.

Uma obra há muito reclamada pela Câmara Municipal de Cascais (CMC). António Capucho, presidente da CMC mostrou-se satisfeito, adiantando que "com estas obras haverá um acréscimo de conforto e bem-estar para as populações".

Já a secretária de Estado do Transportes, Ana Paula Vitorino, salientou que estes projectos estão inseridos num projecto mais amplo. "Em 2013, será possível ir de Cascais a ao Oriente e apanhar o comboio de Alta Velocidade para Madrid". Uma possibilidade que será concretizada com o interface que será criado em Alcântara, Lisboa, e que irá permitir a ligação à Gare do Oriente.

Em S. Pedro do Estoril as obras são bem vindas por quem vive ou trabalha junto aquela que muitos apelidam como a "travessia da morte", tantos os casos fatais que ali ocorreram. "Já deviam ter sido feitas há já algum tempo", adianta Maria Orquídea da Silva, que trabalha junto à estação, lembrando que só no Verão passado assistiu "a cinco atropelamentos". Já Matilde Cunha Belém, adianta que "as coisas pioraram desde que deixou de haver guarda e após as alterações melhoraram um pouco, mas não o suficiente".

A requalificação e dinamização da Linha de Cascais, além da construção das passagens inferiores, contempla ainda a construção da passagem superior da Bafureira, entretanto já concretizada e a melhoria das acessibilidades à estação do Estoril.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG