Contestação

Bombeiros de São Pedro de Sintra ficam sem comandante e direção

Bombeiros de São Pedro de Sintra ficam sem comandante e direção

O novo comandante e a direção dos bombeiros de São Pedro de Sintra demitiram-se na quinta-feira, perante o boicote de funcionários e voluntários, para não colocarem em causa o socorro à população.

"O novo comandante sentiu que não conseguia responder a como as coisas estavam, porque eles estavam a fazer boicote, digamos assim, a pessoal voluntário para a noite", explicou à Lusa Joaquim Duarte.

Segundo o presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de São Pedro de Sintra, a demissão ocorreu na sequência de "indicações, segundo disse o comandante, de que alguns foram aconselhados a não fazerem serviço, para não haver problemas ao entrarem no quartel".

"Ele disse que estava em causa o socorro às populações e, não havendo ninguém à noite, torna-se muito difícil, por isso disse que queria ser parte da solução e não queria ser parte do problema", adiantou Joaquim Duarte.

O comandante Rogério Pereira, antigo adjunto na corporação e formador na Escola Nacional de Bombeiros, tinha tomado posse na quarta-feira, apesar de contestado por 42 bombeiros voluntários e profissionais, que solicitaram inatividade ou dispensa de escala por 90 dias.

Os pedidos foram deferidos pelo comandante em regime de substituição, desde que Pedro Ernesto Nunes, que acumulou durante algum tempo o comando da corporação com a coordenação operacional do Serviço Municipal de Proteção Civil, pediu a demissão por motivos pessoais.

A corporação possui um efetivo de 74 elementos, mas 12 já antes tinham pedido inatividade e as atuais dispensas ocorreram no período que antecedeu o estado de alerta para a tempestade "Ana", no fim de semana passado.

A direção da associação demitiu-se após "analisar os prós e os contras" de se manter em funções e depois de uma reunião, no quartel, em São Pedro de Penaferrim, com o vereador da Proteção Civil, Domingos Quintas (PS), que apenas "quis saber o que se estava a passar".

"Quando entregámos a comunicação [da demissão], à noite já havia pessoal", notou Joaquim Duarte, acrescentando que, atualmente, "está tudo assegurado, já está tudo a funcionar".

O dirigente demissionário admitiu que "não podia pôr em causa o socorro à população", apesar de contar com a disponibilidade dos comandantes das vizinhas corporações de Alcabideche (Cascais), Sintra e Algueirão-Mem Martins para acorrerem a situações de emergência na área de São Pedro.

"A legislação a nível de bombeiro voluntário é de rir", comentou Joaquim Duarte, considerando que o caminho deve passar pela profissionalização dos bombeiros, para que se deixe de "andar a brincar às capelinhas".

O comando da corporação será exercido por Rui Fontainhas, em regime de substituição, por ser o mais graduado, até que seja eleita uma nova direção.

A Lusa tentou contactar Rogério Pereira e o comandante em regime de substituição, mas sem sucesso.

ver mais vídeos