Tecnologia

Programa usado em Marte deteta fugas de água em Gaia

Programa usado em Marte deteta fugas de água em Gaia

Um programa via satélite criado para encontrar água em Marte está a detetar fugas de água no concelho de Gaia. O projeto-piloto arrancou no início desta semana e tem como objetivo reduzir a perda de 16% de água por ano, que representa um prejuízo de 2,5 milhões de euros.

Miguel Lemos, administrador da empresa municipal Águas de Gaia, explica que a implementação da tecnologia custou cerca de 20 mil euros. Em cinco anos, deverá ajudar a diminuir o desperdício para 10%. O sistema permitirá, a médio-longo prazo, corrigir as tarifas de água.

"O satélite já detetou 177 pontos de interesse, que corresponderam a 138 fugas. Já começaram a ser resolvidas", garantiu o administrador, salientando o aumento da eficiência do serviço, já que o programa localiza pontos de interesse de forma automática.

"Existe uma margem de erro, mas será inferior a 10%", acrescentou Miguel Lemos. Além da deteção de fugas por satélite, a Câmara quer pôr em marcha um programa global para reduzir as perdas de água, que deverá atingir os três milhões de euros.

A tecnologia foi desenvolvida pela empresa Utilis Corp e está a ser utilizada em cerca de 40 países. Vitaly Bernshtein, representante da Utilis, explicou que não se trata de uma substituição do sistema utilizado pelas empresas, mas sim de "mais uma ferramenta".

"A ideia surgiu através de um algoritmo criado pelo nosso CTO, Lauren Guy, para encontrar água em Marte. Depois pensou que poderia ser usado também no nosso planeta, então adaptou-o", explicou, referindo que o sistema de deteção de fugas começou a ser usado em 2015.

Cloro ajuda na deteção

A aplicação, que a partir de agora deverá ser utilizada de forma permanente pelo Município, recorre a imagens satélite que, através de um radar, localizam a presença de água potável, através da existência de cloro, que poderá indicar uma fuga, afirmou Miguel Lemos.

"Vamos utilizar a aplicação de forma permanente. O objetivo é, por exemplo, daqui a seis meses fazer uma nova captação de imagens satélite para verificar se os pontos detetados estão resolvidos e encontrar outros que possam existir", concluiu.

Correções

A tecnologia satélite desenvolvida pela Utilis trata os dados brutos e prepara-os para análise, filtrando sinais de prédios e outros objetos artificiais, vegetação, objetos hidrológicos e muito mais.

Caso no Reino Unido

Várias equipas de deteção de fugas de água em Yorkshire, no Reino Unido, analisaram 164 km de rede e verificaram 264 pontos de interesse em 30 dias, num total de 125 fugas encontradas.