Caminha

Governo diz que "é inequívoca a aposta na dignificação dos Sapadores Florestais"

Governo diz que "é inequívoca a aposta na dignificação dos Sapadores Florestais"

O Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, afirmou esta sexta-feira, em Caminha, num encontro distrital de sapadores florestais, que o Governo está determinado na dignificação da função destes profissionais.

Segundo o governante, o investimento "de cerca de 100 milhões de euros" feito nos últimos sete anos nesta área é para continuar, numa altura em que o país está perto de atingir o meio milhar de equipas no terreno. Adiantou também que, este ano, será lançado o concurso para a constituição de novas equipas e trabalhada "a valorização da profissão de sapador florestal".

"O Estado reconhece o papel muito relevante destas funções desempenhadas pelos sapadores florestais e, nesse sentido, tem procurado também regulamentar, enquanto entidade empregadora, a carreira destes trabalhadores", declarou Duarte Cordeiro, referindo "a muito vincada determinação do Governo em prosseguir o investimento realizado desde 2015 na ordem dos 100 milhões de euros, desde então, incluindo os 8,2 milhões já pagos em 2022", na área de ação dos sapadores florestais.

PUB

"É inequívoca a nossa aposta na dignificação da função do sapador florestal, o seu destaque crescente e consenso generalizado quanto à importância da ação que têm no sistema de gestão integrada dos fogos rurais", sublinhou.

Duarte Cordeiro frisou que em Portugal foram criadas perto de meio milhar de equipas, desde que a figura do sapador florestal foi criada em 1999 pelo então Ministro da Agricultura, Capoulas Santos, com as primeiras 33 equipas. Atualmente, existem "cerca de 2000 sapadores".

"Neste período criaram-se 497 equipas, das quais 411 se encontram operacionais", adiantou aquele governante, referindo que estas operam "numa área de 158 municípios do território nacional".

O ministro marcou presença numa sessão comemorativa do dia do sapador no distrito de Viana do Castelo, onde desempenham estas funções cerca de 150 operacionais, num total de 38 equipas.

O autarca de Caminha e presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil, Miguel Alves, indicou o papel relevante daqueles operacionais na prevenção e combate a incêndios e alertou para "o perigo" do momento atual em termos de ocorrências de fogo florestal. "Este ano já ardeu sensivelmente a mesma área que em todo o ano de 2021. No mês de janeiro deste ano, em pleno inverno, ardeu o dobro da área que ardeu em agosto do ano passado. Temos que estar preparados para isto", comentou, referindo que "Viana do Castelo é segundo distrito do país com mais área ardida".

--

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG