Lindoso

Piloto português morreu em acidente com Canadair durante combate a incêndio

Piloto português morreu em acidente com Canadair durante combate a incêndio

Jorge Jardim, um dos pilotos do avião Canadair que caiu este sábado perto da zona do Lindoso, Ponte da Barca, quando combatia um incêndio no Gerês, morreu no local. O outro foi transportado em "estado grave" para o hospital central da Unidade Local de Saúde do Alto Minho, em Viana do Castelo.

O piloto principal da aeronave que caiu, hoje, entre as regiões de Lindoso e Lobios, acabou por morrer. Trata-se de Jorge Jardim, de 65 anos, que, apesar das tentativas realizadas pelos elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), não foi possível salvar.

O segundo piloto, de nacionalidade espanhola e de 39 anos, foi assistido no local e transportado em "estado grave" para o Hospital de Viana do Castelo. Autoridades no local avançam que terá as duas pernas partidas.

O alerta para o incidente foi dado pelas 11.19 horas. A aeronave despenhou-se numa área do território espanhol, "a cerca de um, dois quilómetros da fronteira com Portugal", acrescentou a mesma fonte.

Numa nota de imprensa, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) afirmou que se trata de um avião anfíbio pesado (Canadair CL215), do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, do Centro de Meios Aéreos de Castelo Branco, que participava nas operações de combate a um incêndio que lavra no Parque Nacional da Peneda Gerês, freguesia do Lindoso, concelho de Ponte da Barca, no distrito de Viana do Castelo.

O avião despenhou-se num acidente junto à Barragem do Alto do Lindoso, na sequência de uma operação de "scooping" (reabastecimento de depósito de água), acrescentou.

Entretanto, outra fonte da Proteção Civil acrescentou que se trata de um avião português que fazia parte do dispositivo de combate a incêndios florestais e que os feridos graves são os ocupantes do aparelho. Disse ainda que o avião caiu numa zona montanhosa.

De acordo com a página de internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, mais de 100 operacionais, apoiados por 28 veículos e 10 meios aéreos portugueses e espanhóis combatiam, pelas 12 horas, o incêndio que lavra no Parque Nacional da Peneda-Gerês desde as 5.19 desta madrugada.

A investigação ao acidente é da responsabilidade de Espanha, disse à Lusa fonte da investigação.

Como o acidente aconteceu em território de Espanha, fonte do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) explicou que são as autoridades espanholas que têm a responsabilidade e a competência para desenvolver a investigação.

Inicialmente pensava-se que a aeronave tinha caído em território nacional, mas a Autoridade Nacional e Emergência e Proteção Civil (ANEPC) indicou que o acidente "ocorreu em território espanhol, a cerca de um a dois quilómetros da fronteira portuguesa".

Outras Notícias