Nacional

"Correspondências" de Rita Azevedo Gomes chega aos cinemas em março

"Correspondências" de Rita Azevedo Gomes chega aos cinemas em março

Um filme português inspirado na correspondência entre Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena, durante o exílio do escritor, testemunho da amizade entre ambos e da situação política no país, estreia-se no dia 08 de março, nos cinemas.

"Correspondências", de Rita Azevedo Gomes, foi apresentado em vários festivais de cinema nacionais e internacionais e ganhou o Prémio Fundação Saramago e Livraria Lello para Melhor Filme Falado em Português, Galego ou Crioulo de Origem Portuguesa, Transversal às Competições, no DocLisboa 2016.

O filme, que foi selecionado para o Festival de Locarno, tem estreia marcada para o início do próximo mês no Cinema Ideal, em Lisboa, no Cinema Trindade, no Porto, e no Alma Shopping, em Coimbra, anunciou hoje a produtora, C.R.I.M..

Trata-se de um filme que se inspirou nas cartas trocadas entre dois dos maiores escritores da língua portuguesa, Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena, entre 1957 e 1978, nos anos de exílio do poeta, até perto da morte do autor de "O Físico Prodigioso", em 1978.

Por razões políticas e circunstâncias da vida, Jorge de Sena viu-se forçado a partir para o exílio - inicialmente para o Brasil e, mais tarde, para os Estados Unidos, onde seguiu carreira académica -, acabando por nunca voltar para Portugal.

Esta correspondência, editada em livro em 2005 pela Guerra e Paz, é um testemunho da "forte e profunda amizade entre estes dois poetas, mas é também marcada pelo sempre presente peso da censura e da situação política em Portugal naquela época", explica a produtora.

A correspondência revela um sentimento de contínua busca pela liberdade, numa época de grande pressão, vivida sob ditadura, mas também "uma profunda afinidade entre dois seres".

"Estamos perante esse sentimento raro, a amizade, que sobrevive ao tempo e à ausência e que ambos querem levar intacta até à morte".

Para a realizadora, esta "escrita livre de intenção literária constitui uma forma de diálogo: uma conversa irregular no tempo, suspensa nas esperas do correio e nas muitas cartas perdidas, desaparecidas, censuradas pela PIDE".

Através da poesia e desta escrita epistolar, o filme constitui um diálogo extenso no tempo e no "desejo de suprir anos de distância em horas de conversa".

Simultaneamente, ficciona sobre as ligações e correntes que mantêm as pessoas juntas.

Rita Azevedo Gomes nasceu em Lisboa, em 1952, e teve um percurso variado sempre ligado às artes visuais. Durante anos envolveu-se em projetos de teatro, ópera, artes plásticas e cinema.

Em 1990, realizou o primeiro filme, "O Som da Terra a Tremer", após o qual escreveu e realizou várias curtas e longas-metragens internacionalmente reconhecidas em festivais de todo o mundo.

Atualmente está a terminar a sua longa-metragem "A Portuguesa", e trabalha na Cinemateca Portuguesa como programadora.

"Correspondências" foi selecionado para os festivais de Buenos Aires e de Edimburgo, além do festival de Locarno, entre outros. Em 2016, o filme valeu a Rita Azevedo Gomes o prémio de Melhor Realizadora, no festival Caminhos do Cinema Português.