Talibãs

169 milhões. Presidente afegão terá fugido com carros e helicóptero cheios de dinheiro

169 milhões. Presidente afegão terá fugido com carros e helicóptero cheios de dinheiro

O presidente afegão Ashraf Ghani terá fugido do Afeganistão com quatro carros e um helicóptero cheio de dinheiro, de acordo com a agência de notícias estatal russa "RIA Novosti", que citou um porta-voz da embaixada russa em Cabul.

A porta-voz da embaixada, Nikita Ishchenko, disse, na segunda-feira, que "o colapso do regime é mais eloquentemente caracterizado pela forma como Ghani escapou do Afeganistão: quatro carros cheios de dinheiro. Tentaram colocar outra parte do dinheiro num helicóptero, mas não coube tudo. E parte foi deixada na pista".

Entretanto, esta quarta-feira, Kawoon Khamoosh, jornalista da "BBC", escreveu no Twitter, citando o embaixador afegão no Tajiquistão, que Ashraf Ghani "fugiu com sacos cheios de 169 milhões de dólares americanos [cerca de 144,3 milhões de euros] durante a queda de Cabul".

PUB

Esta foi a primeira vez que foi mencionado o valor alegadamente levado pelo presidente. Em entrevista à rádio russa "Ekho Moskvy", o representante especial do presidente Vladimir Putin no Afeganistão, Zamir Kabulov, já tinha dito anteriormente que não se sabia quanto dinheiro o Governo em fuga deixaria para trás. "Espero que o Governo que fugiu não tenha tirado todo o dinheiro do orçamento do Estado", disse.

Segundo a revista "Forbes", a embaixada afegã no Tajiquistão pediu, esta quarta-feira, à Interpol para deter o presidente deposto por ter alegadamente desviado fundos dos cofres do Afeganistão.

Esta quarta-feira, soube-se ainda o paradeiro de Ashraf Ghani, que era desconhecido desde que o presidente deposto fugiu de Cabul. Os Emirados Árabes Unidos declararam, ter acolhido Ghani e a sua família no país por "razões humanitárias".

Ashraf Ghani fugiu do Afeganistão no momento em que os talibãs se aproximaram de Cabul, que foi tomada pelo grupo extremista no domingo. Depois de ter fugido secretamente do país e sem uma renúncia pública ao cargo, Ghani alegou em declaração que deixou o poder para "evitar derramamento de sangue", porque, segundo ele, os talibãs estavam dispostos a atacar Cabul para o derrubar. Posteriormente, o político não fez mais declarações e não compareceu perante a imprensa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG