Covid-19

Apelo de Cristiano Ronaldo comove líder da Organização Mundial de Saúde

Apelo de Cristiano Ronaldo comove líder da Organização Mundial de Saúde

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, elogiou o apelo e a postura de Cristiano Ronaldo, que publicamente expressou apoio aos esforços da OMS em tempos de pandemia de Covid-19.

"Comovido" pela mensagem solidária de de Cristiano Ronaldo, Tedros Adhanom Ghebreyesus disse, no Twitter, que "proteger todas as vidas da Covid-19 deve ser a prioridade absoluta".

Na mensagem, Tedros diz que a OMS "agradece a solidariedade" de Cristiano Ronaldo e a todos os outros que estão a combater o coronavírus.

"O Mundo está a passar um momento muito difícil que exige o maior cuidado e atenção de todos nós. Falo-vos hoje não como jogador de futebol, mas como filho, pai, um ser humano preocupado com os últimos desenvolvimentos que estão a afetar todo o Mundo", pode ler-se na mensagem de Cristiano que comoveu Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O teste positivo a Covid-19 de Daniele Rugani, colocou toda a equipa da Juventus de quarentena. Cristiano Ronaldo estava já na Madeira a acompanhar a mãe, Dolores Aveiro, que recupera de um AVC.

O futebolista garantiu que respeitou "todas as condições de segurança" para visitar a mãe, quando se deslocou ao Hospital Central do Funchal.

Na Região Autónoma da Madeira, não há registo de qualquer caso de infeção por Covid-19, mas o secretário da Saúde indicou que há "quase uma centena de pessoas" que estão a ser acompanhadas de acordo com as regras previstas.

Nesta rede social, Tedros Ghebreyesus agradece, entre outros, ao fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, ao presidente francês, Emmanuel Macron, ou ao cantor norte-americano Usher.

Na sexta-feira, a Organização Mundial da Saúde declarou a Europa como o epicentro do novo coronavírus. "Estão agora a ser reportados [na Europa] mais casos todos os dias do que os que eram reportados na China no ponto máximo da sua epidemia", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na conferência de imprensa diária da organização, citado pela agência Associated Press.

O número de pessoas infetadas desde dezembro pelo novo coronavírus no mundo aumentou para 143400 e o número de mortes subiu para 5402, segundo um balanço feito pela AFP às 9 horas deste sábado.

Outras Notícias