Última Hora

Twitter bloqueia quatro mensagens de Trump, que anuncia ida à Pensilvânia

Twitter bloqueia quatro mensagens de Trump, que anuncia ida à Pensilvânia

Donald Trump acordou, pegou no telefone e desatou a "tweetar" sobre a contagem de votos que ainda decorre nos EUA. Quatro mensagens seguidas escondidas pelo Twitter, que as sinalizou como "questionáveis ou erróneas em relação à eleição e outros processos cíveis".

Uma mensagem mais recente, em que Trump "grita" "GANHEI ESTA ELEIÇÃO, POR MUITO" foi também sinalizado pelo Twitter, que alerta os seguidores de Trump, mais de 80 milhões naquela rede social, que não haveria confirmação oficial destas alegações quando o presidente dos EUA publicou este tweet, cerca das 10.40 horas (15.40 em Portugal continental).

Segundo a CNN, o Twitter já colocou avisou e "abafou" 37% dos "tweets" de Donald Trump desde a noite eleitoral. Segundo contas feitas por aquela cadeia de televisão norte-americana, que o presidente dos EUA critica frequentemente, até às das 10 horas da manhã deste sábado, 16 dos 43 "tweets" de Trump levaram o selo de mensagens "questionáveis ou erróneas em relação à eleição e outros processos cíveis".

Números que se aplicam apenas ao Twitter pessoal de Donald Trump e que não versam sobre as redes sociais de amigos, família e assessores próximos, cujos "posts" também vão merecendo reparos naquela rede social, que Trump usou, também este sábado de manhã, início da tarde, para anunciar uma "grande conferência de imprensa" num hotel em Filadélfia, maior cidade do estado da Pensilvânia, cujos 20 votos do colégio eleitoral podem decidir o vencedor.

Os problemas de Donald Trump com a verdade não são de hoje. Estudos independentes reportaram milhares de mensagens "erróneas ou falsas" nos discursos e mensagens do presidente dos EUA durante os quatro anos na Casa Branca.

PUB

Na madrugada de sexta-feira, algumas das principais estações de televisão dos Estados Unidos, como ABC, CBS e NBC, cortaram o discurso do Presidente no horário nobre, enquanto a Fox News, referência informativa do Partido Republicano, desmentiu as alegações de Donald Trump.

"Temos de interromper Trump porque o presidente fez uma série de afirmações falsas", disse o jornalista Lester Holt, apresentador do NBC Nightly News, um dos três programas de notícias mais seguidos na televisão em sinal aberto.

O mesmo foi feito por David Muir, apresentador do noticiário mais seguido no país, com oito milhões de telespetadores diários, o ABC World News Tonight. "Simplesmente não houve prova, em nenhum desses estados, de que haja votos ilegais", disse. Em seguida, o jornalista explicou que, devido à pandemia, a votação por correspondência aumentou, quebrando recordes: mais de 100 milhões de norte-americanos votaram antes, o que prolongou o escrutínio.

A CBS, a terceira em audiências, também iniciou um apuramento de factos quando Trump terminou o discurso e desmentiu todas as acusações de "fraude" e "corrupção do sistema". Mais contundentes foram os serviços de informação da rádio pública norte-americana, NPR: "Trump, mais uma vez, reivindicou falsamente a vitória nas eleições de 2020. Ele não ganhou. Os votos ainda estão a ser contados", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG