Irão

Casaram há um mês e morreram a regressar a casa em queda de avião

Casaram há um mês e morreram a regressar a casa em queda de avião

Pelo menos três britânicos foram identificados entre as 176 vítimas mortais da queda de um avião Boeing 737-800 de uma companhia aérea ucraniana, esta quarta-feira. Saeed Tahmasebi, Sam Zokaei e Mohammad Reza regressavam ao Reino Unido depois um período de férias no Irão.

Entre as vítimas mortais do desastre aéreo, cujo avião se terá despenhado minutos depois de descolar, estão pessoas de várias partes do mundo: 82 iranianos, 63 canadianos, 11 ucranianos, dez suecos, quatro afegãos, três alemães e três britânicos são as nacionalidades avançadas pelo jornal "The Guardian" e confirmadas pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Vadym Prystaiko.

O "Daily Mail" já conseguiu identificar os cidadãos britânicos. Um deles é Saeed Tahmasebi, de 35 anos, engenheiro de uma empresa de construção em Londres. Saeed tinha nacionalidade britânica há 14 anos e tinha-se casado há um mês com Niloofar Ebrahim. Ambos viajaram para Teerão para celebrar pela segunda vez o casamento com os familiares e amigos. Morreram a regressar a casa, no Reino Unido.

Um outro engenheiro da BP, companhia de gás e gasolineira que opera também em Portugal, Sam Zokaei, de 42 anos, é tido como uma das vítimas mortais da queda do Boeing 737, no Irão. A BP, onde trabalhava há pelo menos quatro anos, confirmou a morte do funcionário em comunicado.

"Estamos chocados e profundamente tristes com a perda trágica do nosso amigo e colega e todos os nossos pensamentos estão com a sua família e amigos", escreve. Sam Zokaei tinha ido visitar a família ao Irão.

O último britânico identificado é Mohammad Reza Kadkhoda-Zadeh, de 40 anos, e pai de uma menina de nove anos. Mohammad arrendava quartos em Brighton e era chefe de uma empresa de limpeza. Embarcou no voo da companhia Ukraine International Airlines para voltar ao Reino Unido depois de uma visita à família no Irão.

O incidente não estará relacionado com o conflito entre o Irão e os Estados Unidos. As primeiras investigações apontam para uma falha do motor do avião e os voos para Teerão estão suspensos por tempo indeterminado. As caixas negras do avião já foram encontradas, mas o chefe da Organização da Aviação Civil do Irão já declarou que o país não tem intenção de as entregar.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG