O Jogo ao Vivo

Genebra

Cidade na Suíça aprova salário mínimo de quase 3800 euros por mês

Cidade na Suíça aprova salário mínimo de quase 3800 euros por mês

Os habitantes de Genebra, na Suíça, votaram no domingo a favor da proposta de um salário mínimo de 23 francos suíços à hora - o equivalente a cerca de 21,3 euros - para todos os que trabalham na cidade, uma das mais caras do Mundo. A medida entrará em vigor a partir de meados de outubro.

Genebra é uma das cidades mais caras do Mundo, com o aluguer de um apartamento de dois quartos a rondar os 3000 francos (cerca de 2777 euros) e um café a custar entre 4 e 5 francos (entre 3,70 e 4,60 euros).

Agora, segundo o "La Vanguardia", o salário mínimo será de 4086 francos suíços por mês para 42 horas de trabalho por semana, cerca de 3785 euros, o mais alto do Mundo. A medida é, no entanto, uma raridade no país: apenas três cantões, de um total de 26, adotaram o salário mínimo; além de Genebra, também Jura e Neuchâtel. O Executivo do cantão e os partidos de centro e direita pediram para rejeitar a proposta.

A votação teve vários contratempos no passado. Em 2014, os eleitores votaram contra a introdução de um salário mínimo para toda a confederação. Demorou três vezes em Genebra para que os partidários desta medida social finalmente convencessem 58% do eleitorado, cerca de 500 mil eleitores, de acordo com os resultados oficiais publicados no domingo.

Partidos de esquerda e sindicatos apresentaram a medida como forma de combater a pobreza e a precariedade. A pandemia do novo coronavírus está a atingir com força a cidade, que depende muito do turismo, viagens de negócios e das idas e regressos de milhares de diplomatas, especialistas e outros funcionários importantes que visitam as muitas agências da ONU baseadas em Genebra.

A pobreza é cada vez mais visível e já não é tão incomum encontrar longas filas para receber alimentos ou outros bens essenciais. Cerca de 17 mil trabalhadores ganhariam hoje menos que esse salário mínimo, de acordo com vários sindicatos, que afirmam que duas em cada três são mulheres.

Outras Notícias