Revelação

Especialista em assassinos em série confessa que baseou a carreira em mentiras

Especialista em assassinos em série confessa que baseou a carreira em mentiras

Stéphane Bourgoin, famoso especialista francês em casos de assassinos em série, confessou que a sua carreira se baseou em mentiras, depois de uma série de revelações divulgadas por um grupo no YouTube.

O francês de 67 anos construiu uma reputação como o principal especialista do país em casos de assassinos em série, escrevendo mais de 75 livros e produzindo dezenas de documentários. Bourgoin era frequentemente convidado para dar palestras a estagiários da academia nacional da Polícia Judiciária francesa e viajava regularmente pelo país para falar sobre as suas experiências.

No entanto, recorda a CNN, um grupo anónimo chamado "4e Oeil", ou "quarto olho", em português, divulgou, em janeiro, no YouTube, uma série de vídeos a acusar Bourgoin de mentir. A investigação rapidamente se tornou uma sensação em França. Desde então, os vídeos foram removidos do YouTube, mas permanecem no site oficial do coletivo.

Um porta-voz do "4e Oeil" disse à CNN que começou a investigar Bourgoin em agosto de 2019, depois de discutir o seu trabalho num grupo do Facebook dedicado a casos criminais. Os membros desse grupo suspeitavam que Bourgoin tivesse plagiado livros originalmente escritos em inglês e notaram datas que não correspondiam ou eram inconsistentes de um livro para outro.

"As entrevistas [de Bourgoin] na televisão convenceram-nos de que ele estava realmente a inventar tudo", disseram membros daquele grupo à CNN.

Agora, o especialista francês confessou as mentiras, tanto à imprensa como na conta pessoal do Instagram. A CNN tentou entrar em contacto com os representantes de Bourgoin, mas não obteve resposta.

"Tenho vergonha de ter mentido, de ter ocultado coisas", disse o francês em entrevista ao "Le Parisien", no domingo. "É verdade que às vezes, quando estava aos olhos do público, embelezava, extrapolava, exagerava a minha importância, porque sempre tive a profunda sensação de não ser realmente amado".

Uma das invenções de Bourgoin diz respeito a uma mulher que foi assassinada em 1976 em Los Angeles, nos Estados Unidos. O francês afirmou durante anos que foi a sua mulher que morreu, mas na verdade tratava-se de uma empregada de um bar que ele encontrara cinco ou seis vezes. "É completamente verdade que escondi voluntariamente a identidade dela", admitiu.

Bourgoin também admitiu ter inventado uma suposta reunião com o assassino em série Charles Manson. "Isto pesou-me durante dois, três anos. Estranhamente, há o alívio de ter dito a verdade e, da vergonha, uma vontade de me redimir, de nunca mais dizer disparates como esse em público", explicou o francês de 67 anos.

O porta-voz do "4e Oeil" disse à CNN que o grupo quer que Bourgoin pare de trabalhar na área. "Duvidamos sinceramente que as desculpas dele, mesmo que as tenha dito, sejam realmente sinceras", apontaram os denunciantes.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG