EUA

FBI investiga ligações entre assaltantes do Capitólio e pessoa próxima de Trump

FBI investiga ligações entre assaltantes do Capitólio e pessoa próxima de Trump

O FBI concluiu que uma pessoa ligada à presidência norte-americana de Donald Trump terá estado em contacto com o grupo de extrema-direita "Proud Boys" dias antes do ataque ao Capitólio, notícia este sábado o "The New York Times".

O jornal norte-americano, que cita fontes policiais, refere que as autoridades utilizaram registos telefónicos para localizar uma chamada entre a organização extremista e alguém muito próximo do anterior Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, segundo noticia a agência espanhola Efe.

A informação divulgada pelo "The New York Times" não revela nomes nem pormenores da conversa que está a ser investigada pelo FBI (Federal Bureau of Investigation) para apurar todos os contactos que foram estabelecidos entre as organizações de extrema-direita que participaram no ataque ao Capitólio e membros da anterior administração norte-americana.

Por outro lado, o líder do grupo "Proud Boys", Enrique Tarrio, confirmou ao "The New York Times" que telefonou a Roger Stone, um colaborador próximo de Trump, enquanto participava num protesto junto à residência do senador republicano Marco Rubio, poucos dias antes do ataque ao Capitólio.

Contudo, segundo fontes policiais, a chamada que está a ser alvo de investigação é outra.

Enrique Tarrio foi preso no dia 4 de janeiro, depois de ter destruído um cartaz do movimento "Black Lives Matter" (As vidas negras importam), que tinha sido colocado numa histórica igreja afro-americana.

Ainda que o líder dos "Proud Boys" não tenha participado na invasão do Capitólio, ocorrido a 6 de janeiro, existe a suspeita de que mais de uma dezena de membros do grupo seja responsável pela organização dos protestos que culminaram no ataque.

PUB

Entretanto, um ex-assessor do Departamento de Estado do Governo do presidente Donald Trump foi acusado de participar na invasão do Capitólio e de agredir oficiais que tentavam proteger o edifício.

Federico Klein, que também trabalhou na comitiva de campanha de Trump, em 2016, foi visto a usar um boné de propaganda do presidente republicano no meio da multidão, tentando forçar a sua entrada no Capitólio, em 6 de janeiro, segundo os media norte-americanos.

Klein foi detido na quinta-feira, no estado da Virgínia, e enfrenta acusações que incluem obstrução ao Congresso e agressão a polícias com arma perigosa.

Pelo menos cinco pessoas, incluindo um polícia do Capitólio, morreram como resultado da insurreição de 6 de janeiro, e cerca de 300 pessoas foram acusadas por diversos crimes associados ao ataque.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG