15.10.2019

Catalunha

"Desculpe por ter perdido o voo, pense no que é perder a democracia"

"Desculpe por ter perdido o voo, pense no que é perder a democracia"

A frase que dá o título à notícia foi escrita em letras grandes numa janela de vidro do aeroporto de El Prat, de Barcelona, invadido por manifestantes pró-independência e contra as sentenças anunciadas ontem pelo Supremo Tribunal.

A condenação a penas de prisão de nove dirigentes políticos catalães por sedição incendiou os ânimos na Catalunha, onde os manifestantes pró-independência impediram o trânsito rodoviário e ferroviário, queimando pedaços de madeira e pneus nas vias.

Assim que foi conhecida a sentença, uma série de grupos independentistas iniciaram movimentos de protesto em todo o território da comunidade autónoma espanhola, sobretudo em Barcelona, Girona e Tarragona. Além de terem cortado estradas e ferrovias, os manifestantes bloquearam os acessos ao aeroporto de El Prat, na capital catalã, forçando os passageiros a seguirem caminho por monte e causando o cancelamento de cerca de 100 voos ontem e dezenas hoje, segundo o jornal catalão "La Vanguardia".

Os confrontos com a Polícia provocaram ferimentos em pelo menos 130 pessoas, tendo um jovem de 22 anos perdido um olho como resultado do impacto de uma bala de borracha e um homem de 30 anos sofrido um trauma testicular, que causou uma perda de massa testicular.

Face às consequências das manifestações, o ministro das Obras Públicas, José Luis Ábalos, apontou que "bloquear um aeroporto não é o mesmo que bloquear uma estrada" e que "o direito à manifestação não é ilimitado", acrescentando que as manifestações de ontem não foram comunicadas, como deve acontecer com qualquer protesto, greve ou concentração. O ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska, informou que foi aberta uma investigação à atuação do chamado "Tsunami Democrático", plataforma que convocou as manifestações.