Venezuela

Brasil acusa regime de Maduro de atos violentos na fronteira

Brasil acusa regime de Maduro de atos violentos na fronteira

O Governo brasileiro condenou este domingo os atos de violência promovidos no sábado por Nicolás Maduro nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e a Colômbia, a propósito da chegada de ajuda humanitária ao país.

Numa nota publicada no 'site' do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, intitulada "atos de violência do regime de Maduro", o Governo brasileiro expressa a sua "condenação mais veemente" aos atos de violência do "regime ilegítimo do ditador" Nicolás Maduro registados no sábado nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia.

A chegada de ajuda humanitária à Venezuela ficou no sábado marcada por atos violentos, com camiões incendiados na fronteira com a Colômbia e outros a regressar ao Brasil, registando-se pelo menos quatro mortos em confrontos, e deserções das forças venezuelanas, tendo dois camiões de ajuda humanitária regressado ao território brasileiro após algumas horas no lado venezuelano.

"O uso da força contra o povo venezuelano, que anseia por receber a ajuda humanitária internacional, caracteriza, de forma definitiva, o caráter criminoso do regime Maduro", lê-se na nota publicada, adiantando ter havido "um brutal atentado" aos direitos humanos.

O executivo brasileiro, na mesma nota, diz que "nenhum princípio do direito internacional remotamente justifica" tais atos de violência, e defende que "nenhuma nação" pode calar-se perante tais atos.

"O Brasil apela à comunidade internacional, sobretudo aos países que ainda não reconheceram o presidente encarregado Juan Guaidó, a somarem-se ao esforço de libertação da Venezuela, reconhecendo o governo", conclui.

Esta foi a primeira reação oficial do governo de Jair Bolsonaro aos incidentes de sábado nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e Colômbia, no âmbito da operação coordenada por vários países para introduzir alimentos e remédios no país.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, mandou encerrar na sexta-feira a fronteira entre a Venezuela e o Brasil.