Charlottesville

Estado de emergência após confrontos em marcha de supremacistas nos EUA

Estado de emergência após confrontos em marcha de supremacistas nos EUA

Foi decretado o estado de emergência em Charlottesville, EUA, após novos confrontos, este sábado, entre manifestantes de uma marcha de supremacistas brancos e opositores.

O governador da Virginia declarou o estado de emergência em resposta ao protesto de brancos nacionalistas que deverá concentrar mais de seis mil pessoas na cidade de Charlottesville, nos Estados Unidos.

O governador Terry McAuliffe indicou, através da conta na rede social Twitter, este sábado de manhã, que tomou a decisão para "ajudar o Estado a responder à violência" na marcha de Charlottesville, a cerca de 160 quilómetros de Washington.

Terry McAuliffe também declarou o estado de emergência local e a polícia deu ordem às pessoas para que dispersassem da área circundante depois dos confrontos violentos que eclodiram naquela zona.

A declaração do estado de emergência vai permitir o reforço dos meios policiais no local, apesar do forte dispositivo de segurança que já está mobilizado para acompanhar a manifestação.

As imagens captadas pelas televisões mostram escaramuças ocasionais entre os supremacistas brancos e os opositores. "O ódio não passará", dizem os contra-manifestantes.

A polémica marcha "Unir a direita" concentra, este sábado, centenas de brancos supremacistas em Charlottesville, no Estado norte-americano da Virginia, em protesto pela retirada de uma estátua de homenagem ao general Robert E. Lee, um dia depois de violentos confrontos.

Um grupo de manifestantes acudiu esta na sexta-feira à noite ao "campus" da Universidade da Virginia, com sede em Charlottesville, com tochas para celebrar a decisão de um juiz federal de permitir a manifestação, o que provocou confrontos violentos com os estudantes que obrigaram mesmo à intervenção da polícia.

Este sábado, a polícia reforçou a presença mas não evitou alguns confrontos. Nas imagens, é possível ver milícias armadas a proteger manifestantes supremacistas brancos.

Conteúdo Patrocinado