Tragédia na Grécia

"Há pessoas que morreram afogadas a fugir do fogo"

"Há pessoas que morreram afogadas a fugir do fogo"

Mais de 60 pessoas morreram e o número de feridos, que já ultrapassa a centena e meia, não para de aumentar na Grécia.

Os incêndios que afetam os arredores de Atenas são dos mais mortíferos dos últimos anos e trazem à lembrança o horror dos incêndios em Portugal.

"É uma verdadeira tragédia e os números vão aumentar nas próximas horas", conta ao JN, Dimitrios Zorzos, jornalista desportivo que vive em Atenas. Os fogos começaram na segunda-feira ao final da tarde e alastraram rapidamente a várias zonas de Attica, nos subúrbios da capital grega, numa zona banhada pelo Mar Egeu e escolhida pelas famílias gregas para as férias de verão.

"Há pessoas que morreram no mar afogadas a fugir do fogo. É uma verdadeira tragédia", explica o jornalista de 47 anos. Apesar da violência dos ventos ser normal nesta altura do ano naquela região do país, Dimitrios acredita que há mão humana na causa de alguns destes fogos. "Na mesma zona, em poucos minutos, começaram cinco incêndios. Há muita gente interessada em fazer dinheiro com estas tragédias", lamenta.

Atenas está coberta de negro ao início da manhã

Apesar de ainda viver consideravelmente longe do centro do fogo, Dimitrios relata que a capital grega acordou com uma nuvem negra por cima. Também Erini Tsartsara, uma psicóloga, que vive em Atenas, fala de um sentimento de "choque generalizado."Estive em Lisboa pouco depois dos incêndios que afetaram Portugal no ano passado e o nosso sentimento é parecido com o vosso", explica. "Os ventos não estão a ajudar e, mesmo sem certezas, a probabilidade é que tenham sido causados pelo Homem", acredita a mulher de 47 anos.

Tal como em Portugal, a ajuda rapidamente aconteceu. Como exemplo, neste momento os principais clubes de futebol de Atenas, como o AEK ou o Olympiakos, já disponibilizaram meios para as pessoas afetadas.

Incêndios na Grécia são os mais mortíferos do século

Os violentos incêndios em Atenas, que até ao momento fizeram pelo menos 50 mortos, é um dos mais mortíferos na Europa desde o princípio do século a par dos que se registaram em Portugal, em 2017, e na Grécia, em 2007.

Durante o século XX, um dos incêndios mais graves na Europa ocorreu em 1949 em França.

Em junho de 2017, 64 pessoas perderam a vida e mais de 250 ficaram feridas no gigantesco incêndio florestal de Pedrógão Grande, em Portugal.

No mês de outubro do ano passado um outro incêndio na região centro de Portugal fez 50 mortos e 70 feridos.