Estudo

Microplásticos chegam à cadeia alimentar através dos insetos

Microplásticos chegam à cadeia alimentar através dos insetos

Um estudo recente sugere uma nova via para a propagação do plástico no Mundo: os insetos que passam a fase de larva na água. Pasto para aves e répteis, passam depois a "contaminação" para a cadeia alimentar.

As aves, os peixes e outros animais que vivem em meio aquático podem engolir pedaços microscópicos de plástico. Com um tamanho inferior a cinco milímetros, estas partículas representam uma grande ameaça para a saúde dos ecossistemas marinhos e de água doce, à medida que entram na cadeia alimentar e podem chegar aos humanos.

Uma investigadora do Reino Unido descobriu, agora, que os mosquitos e outros insetos que crescem em água contaminada com plástico agravam o problema da disseminação daquele material pelo meio ambiente e pelo ecossistema.

As larvas de mosquito que crescem em água contaminada com plástico podem acumular partículas deste material no corpo. Os microplásticos mantêm-se no organismo à medida que os insetos crescem e depois passam para os animais que deles se alimentam.

"Qualquer organismo que se alimenta de mosquitos que cresceram em água doce pode ser afetado pelos microplásticos que se encontram nos ecossistemas aquáticos", disse Amanda Callaghan, da Universidade de Reading, no Reino Unido, e principal autora do estudo "Alto e longe: transferência ontogénica como via de dispersão aérea de microplásticos", publicado na revista Biology Letters.

A afirmação é suportada por um estudo que alimentou 150 larvas aquáticas com uma mistura de comida e microplásticos de diferentes tamanhos. A equipa, liderada por Amanda Callaghan, analisou, à sorte, 15 indivíduos em fase larval e outros 15 quando se converteram em adultos.

Os microplásticos foram encontrados em todos os 30 exemplares analisados. Em média, cada larva continha mais de três mil partículas de plástico com dois micrómetros de tamanho. Nos espécimes adultos, o número de partículas desceu drasticamente, para uma média de 40 por indivíduo.

"É uma realidade que o plástico contaminado está em quase todos os cantos do meio ambiente e seus ecossistemas", disse Amanda Callaghan. "Centramos muita atenção na contaminação dos nossos oceanos com plástico, mas ela também está nos nossos céus", acrescentou.